¤ institucional           ¤ projetos           ¤ serviços           ¤ sala de imprensa          ¤ parcerias          ¤ loja          ¤ contato     


artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     SALA DE IMPRENSA
Gárgulas revira a essência humana
Francismar Lemes
Jornal de Londrina, JL Cultura
24/08/04

Evento destaca hoje espetáculo da Borelli Cia de Dança, de São Paulo

Entre os muros do flagelo e da tortura, o homem é espinhado pela solidão. Nu, o corpo mostra mais que a dilaceração física e moral. Há algo de estranho e erótico aquecido pela morbidez elevada à potência de "Gárgulas", coreografia que a Borelli Cia. De Dança, de São Paulo, apresenta hoje, às 20h, no Teatro Ouro Verde, na programação do 2º Festival de Dança de Londrina.

Dança e teatro se aliam no espetáculo, saindo ao encalço do que sobra das ruínas do ser humano. Pelo caminho, encontram o desespero do homem ao se observar no espelho de sua essência, vendo refletida a própria face flagelada e torturada pela angústia e solidão.

Coreógrafo que abandonou o serviço militar para ser bailarino, profissionalizando-se ao integrar os elencos do Teatro Guaíra e Balé da Cidade de São Paulo, Sandro Borelli carregou a montagem com as tintas do pintor alemão Lucian Freud.

Neto do criador da psicanálise, Sigmund Freud, Lucian se exilou na inglaterra de 1933 para fugir da perseguição nazista, não conseguindo escapar dos horrores da guerra, que marcaram o seu trabalho.

As suas telas convivem com imagens grotescas, que às vezes aparecem mumificadas pela obesidade, o que o tornou o mais expressivo pintor da figura humana na inglaterra do século 20.

"Gárgulas" estimula o erótico com as mãos dessa morbidez em detrimento do psicológico, inspirado no quadro "Reflection (self Portrait)", de Lucian. Na obra, o pintor impõe a força da verdade, que é interpretada como uma busca do próprio "eu" pelo autor. Ao traduzir essa inquietação, a direção de Borelli afina os movimentos do elenco com iluminação de Domingos Quintiliano, a cenografia de Guilherme Isnard, a criação coletiva dos figurinos e a trilha sonora de Gustavo Domingues.

O resultado é o desespero - um lugar singular e provocativo, onde o homem existe com e apesar de sua essência.


Serviço
Gargulas - Borelli Cia de Dança, de São Paulo
Teatro Ouro Verde (Rua Maranhão, 85)
Ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (estudante e aposentados)
Produção executiva: Wooz, Arte & Cultura