:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     MÚSICA

História da Música
Weber


Por Luiz Lobo

A música foi uma arte cosmopolita até o fim do século XVIII, para a qual contribuíram principalmente três países: Itália, Alemanha e França. O Romantismo quebrou esse bom entendimento entre as nações e deu início às dissensões.O convívio e a competição pacífica foram substituídos por uma rivalidade apaixonada e "as vezes venenosa", como observou Otto Maria Carpeaux.

Os alemães, que já haviam conquistado a hegemonia na música instrumental, não aceitavam mais o predomínio italiano no teatro de ópera. Passaram a rejeitar até os libretos em italiano e os temas sugeridos por autores italianos (que ainda empolgaram Mozart).

Os alemães voltaram-se para o seu folclore, para as suas lendas, para as superstições populares, para a Idade Média alemã. Este é o mundo teatral de Carl Maria Von Weber (1786 - 1826), o maior nome da ópera romântica alemã.

Filho de um aristocrata decaído, jogador profissional e empresário teatral, Weber teve uma vida dissoluta na mocidade e foi um aventureiro que, no entanto, recebeu uma sólida educação musical. As guerras contra Napoleão fizeram dele um nacionalista que, como diretor da Ópera de Dresden, expulsou os franceses e os italianos.

Durante algum tempo gozou a glória internacional. Como bom romântico morreu cedo, de tuberculose.

Um pré-romântico sentimental, escreveu lieds antes mesmo da criação do gênero, por Schubert. Nenhum sobreviveu. Foi o sentimento nacionalista e patriótico, que o levou a manifestar-se fervorosamente como antinapoleônico, e a superar a fase pré-romântica, escrevendo coros bélicos.

É esta a inspiração e a motivação para a Aufforderung zum Tanz (Convite à Dança, de 1819), uma valsa que se tornou moda e que passava por ser uma dança tipicamente germânica. "A melodia é tão habilmente inventada que parece canção popular; e voltou a ser canção popular", observa Carpeaux.

O Konzertstueck em fá menor (1821), é uma brilhante peça para piano e orquestra que ainda figura no repertório dos pianistas e é uma declaração nacionalista.

Weber foi um compositor muito versátil. Por exemplo: escreveu uma Missa em mi bemol maior; escreveu as Sonatas para piano em ré menor; escreveu o Quinteto para clarinete e cordas em si bemol maior; escreveu o Concerto para clarinete e orquestra em si bemol maior op.71 e todos eles sobrevivem.

Tal como Mendelssohn, Weber insuflou o espírito romântico nas formas do classicismo vienense.

No teatro, no entanto, não teve sorte ou sucesso durante muito tempo: a forma da ópera, com seus recitativos, árias e coros, resistia às tentativas de usá-la para propagar o romantismo.

Em 1821, um sucesso parcial, a ópera Freischuetz, do tipo italiano, mas cujo enredo e melodias são inconfundivelmente alemães, com a exploração da natureza da misteriosa floresta noturna e da vida alegre e perigosa dos caçadores, recheado com superstições populares e o sentimentalismo da hauss, do lar alemão

Foi um sucesso tão fulminante que a abertura da ópera passou a ser tocada nos realejos e o coro final era cantado nas ruas. Até hoje essa ópera é representada na Alemanha, mas o sucesso atingiu Londres, São Petersburgo, Paris e Nova York.

Em Furyanthe, de 1823, ele foi procurar o romântico mundo medieval e tentou abolir a separação tradicional das árias, coros (dos "números") escrevendo cenas musicalmente ininterruptas. A sobrevivência dessa obra foi prejudicada pelo libreto confuso, mas é uma antecipação de Lohengrin e do drama musical wagneriano.

Oberon, de 1826 foi um novo passo em terreno inédito, com sons nunca ouvidos antes, ecos de um Oriente fantástico e do país das fadas. Foi seu último trabalho antes de ser vencido pelo pulmão doente.

Antes dele a ópera alemã limitava-se á Flauta Mágica, cuja popularidade foi limitada pelo esoterismo maçônico e pelo colorido regional da música, vienense. Weber criou a ópera alemã, escolhendo enredos tipicamente germânicos e que o povo podia entender imediatamente. Ele descobriu e trouxe para o palco a Idade Média cavalheiresca, o exotismo do Oriente, fadas, duendes, lendas, florestas fantásticas e demoníacas, os resíduos da mitologia germânica, despertando sentimentos atávicos na alma de seu povo.

Weber deu um colorido novo à orquestra, valorizando sobretudo as trompas. Suas aberturas são suas criações mais originais e todas sobrevivem, até porque, pela primeira vez, elas são parte importante das obras que prefaciam, são anúncios dos temas principais das próprias óperas, preparam o público e marcam sua lembrança depois. Até as bandas de música adotaram suas aberturas.

Depois de um breve eclipse por conta de seu sucessor, Wagner, Weber teve o reconhecimento e a glória. Stravinsky disse que ele era "um autêntico príncipe da música".

Segundo Mário de Andrade, Weber "fixa o espírito racial da ópera alemã" e "traz de mais pessoal para a música alemã uma palpitação de vida vibrada, uma inquietude nova, irrequieta, às vezes mesmo saltitante, com o que ele genializa o que em Meyerbeer ficou abatido na banalidade e na brilhação falsa".

Diz Mário que é em Weber que Wagner vai encontrar uma tradição nacional segura.por onde dirigir as suas forças de poeta e músico. Assim como afirma que Weber (como Schubert) concebeu o piano como instrumento capaz de caracterizar estados psicológicos e mesmo, às vezes, objetivos.

Uma observação interessante de Mário de Andrade responde à pergunta dos que lêem a história da música e se perguntam porque a maioria das óperas, mesmo as mais elogiadas pela crítica, são inexeqüíveis no teatro hoje em dia. Segundo ele é porque "o teatro é o gênero mais transitório da música. Ao mesmo tempo em que restringe a liberdade musical do criador, está muito sujeito às normas sociais do tempo e estas passam no interesse. Outra precariedade vasta dele é o tamanho das obras." Essas precariedades, diz ele, "torna apenas de interesse histórico uma execução de centena de óperas celebradas".



Fonte: www.tvebrasil.com.br/agrandemusica