:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     MÚSICA

A miséria da música popular brasileira


Por Nildo Viana (*)
La Insignia. Brasil, maio 2005.

A atualidade da música popular brasileira (MPB) é marcada pela decadência. A Música Popular Brasileira já passou por muitas fases, com altos e baixos. Na década de 50-60 viveu bons momentos, e para lembrar isto basta recordar a bossa nova, a canção de protesto, o tropicalismo, os primeiros passos do rock brasileiro (excluindo, obviamente, o rock-brega da "jovem guarda"). A década de 70 foi uma época de "vacas magras", com a música chamada "brega" e com apenas os herdeiros da década anterior honrando a MPB: Guilherme Arantes, Chico Buarque, Belchior, Rita Lee, Raul Seixas, os velhos e os novos baianos, entre outros. A década de 80 marcou um renascimento, com a onda das rádios FMs, os novos Festivais de MPB, o ressurgimento do rock nacional, e além de alguns citados que permaneceram depois dos anos 70, tivemos novos nomes, tal como Eduardo Dusek, Beto Guedes, etc. junto com os roqueiros: Kid Abelha, Titãs, Legião Urbana, Engenheiros do Havaí, Lulu Santos, 14 Bis, A Cor do Som, Ultraje a Rigor, entre inúmeros outros. Este período acompanhava a crise do regime militar e a redemocratização, junto com uma expansão da indústria cultural e do mercado consumidor composto pela juventude.

A partir do fim da década de 90 começa a decadência... Já no começo desta década temos os primeiros sinais do que viria: fricote, música sertaneja, pagode de baixa qualidade até chegar ao funk-brega e outras deformações. Rita Lee, Lulu Santos, entre outros, deveriam ter encerrado sua carreira antes de nos brindar com suas tristes produções pós-rock. Neste "Mar de Lama" ainda existe algo de bom, mas marginal, esporádico ou quantitativamente insignificante. Falta criatividade, senso crítico, efervescência cultural.

A música popular brasileira, com letras minúsculas, está passando por um período de miséria. Quem são os responsáveis por isso? A indústria cultural pode ser apontada como a principal responsável pelo atual estado miserável da MPB. A necessidade de ampliação do mercado consumidor, algo constante na produção capitalista e que faz parte, por conseguinte, da produção cultural nesta sociedade, produz a necessidade de uma cultura descartável, tal como as mercadorias descartáveis. Com o desenvolvimento capitalista, esta necessidade de ampliação do mercado consumidor se torna cada vez mais intensa e na atualidade assume importância fundamental para a reprodução capitalista. Esta cultura descartável é marcada pelos ciclos de renovação periódica de produtos, pois ela permite a reprodução ampliada do consumo. Se um determinado estilo musical permanece por muito tempo, então o consumo também se vê sem grandes crescimentos, pois quem compra um CD de rock and roll de determinada banda, poderá continuar ouvindo por muito tempo, mas se a cada 5 anos surge um novo modismo musical, então o consumo se expande em proporção considerável. Assim, a transformação da MPB em cultura descartável apenas mostra que a lógica do lucro domina tudo, inclusive a produção cultural, e isto mostra a razão de seu progressivo empobrecimento.

No entanto, há uma luz no fim do túnel: sempre que há efervescência social, mudanças históricas, a música também ganha impulso e o início deste século já marcou o início de uma nova onda de mudanças e estas devem agitar o mundo musical. Mesmo contra a vontade dos donos da indústria cultural, pois a própria lógica do lucro não escapa de ter que divulgar aquilo que é contrário aos seus interesses. Da contradição pode surgir o novo. Eis a esperança.


(*) Professor da UEG - Universidade Estadual de Goiás e Doutor em Sociologia/UnB.


Fonte: La Insignia