:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     MÚSICA

Hip hop com sotaque pernambucano


Desde meados da década de 80, o hip hop já tinha seus adeptos na cidade de Recife, capital de Pernambuco, mas só a partir de 2002 é que passa a ser visto como um movimento político, social e cultural na cidade. Neste contexto, em 2004, nasce a Associação Metropolitana de Hip Hop em Pernambuco, fruto do primeiro seminário de formação política do movimento de hip hop do estado.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o hip hop não se restringe a um estilo de música. É um movimento sociocultural que agrega três elementos artísticos básicos: na música, o rap (palavra que tem origem na língua inglesa e é a abreviação de rhythm and poetry, ou seja, ritmo e poesia); na dança, o break, e nas artes plásticas, o graffiti. Aliado a esses componentes artísticos, o hip hop possui uma forte expressão política, resultado da revolta e da indignação em relação à realidade da periferia das grandes cidades.

Em 1982, já surgiam as primeiras manifestações do break nas grandes cidades do Brasil. Contudo, só nos últimos anos, as primeiras organizações e entidades, a exemplo da Associação Metropolitana de Hip Hop em Pernambuco, começam a aparecer. Pedro Henrique de Medeiros Balensifer, um dos coordenadores da Associação, explica como foi o contexto de criação da entidade: “Em 2002, um grupo de militantes do hip hop e do movimento estudantil da Universidade Federal de Pernambuco decidem unir forças para provocar mudanças estruturais na concepção de hip hop. A principal mudança foi o levantamento do debate do hip hop enquanto movimento cultural, social e político e não apenas artístico".

Logo após, foi realizado o I Seminário de Formação Política do Movimento Hip Hop de Pernambuco. Na sua plenária final, a principal proposta aprovada foi a fundação de uma entidade que consolidasse a unidade política do hip hop pernambucano com a congregação dos diversos grupos de rap, break, graffiti e DJs da região. "Essa entidade hoje chama-se: Associação Metropolitana de Hip Hop de Pernambuco”, completa.

A ONG surge com o objetivo de representar o movimento hip hop de Recife bem como estimular a mobilização da juventude local. Para Balensifer, o hip hop pode ser um instrumento de transformação social, além de servir para elevar o nível de consciência da juventude pobre. “O hip hop, no modelo que defendemos e praticamos, faz a juventude pensar e entender que a política é o elemento que determina a forma de vivermos em uma sociedade”, esclarece.

Outro coordenador da entidade, Sérgio Ricardo explica que os grupos que fazem parte da Associação têm vida própria no hip hop, e a associação é apenas um ponto de referência. “São, em média, 30 grupos ligados diretamente à associação e 10 diretores que respondem pela entidade. A entidade funciona como uma espécie de sindicato, uma nave-mãe, na qual cada protagonista fala por si. A associação é o reflexo da atuação dos grupos em sua localidade”, diz.

São realizados encontros e eventos culturais e discussões sobre temas como políticas públicas, resistência cultural, violência, gênero, meio ambiente, mercado fonográfico auto-sustentável, governo, entre outros. Além disso, a Associação estimula a qualificação profissional, através de oficinas de arte- educação.

Assim como em outros lugares onde está presente, o movimento hip hop vem trazendo mudanças na periferia de Recife (PE). Balensifer ressalta que a auto-estima dos jovens aumentou a partir do momento em que passaram a praticar o hip hop. Sérgio Ricardo também percebeu que muitos jovens se distanciaram das drogas, da violência e criaram meios alternativos de geração de renda através da arte do hip hop. Ele conta que muitos já estão dando aulas de dança de rua, discotecagem e graffiti e outros estão voltando a estudar.

“A cidadania no hip hop, hoje, quer dizer: aumento da auto-estima dos jovens das camadas populares, envolvimento com a produção de cultura, internalização individual de uma identidade coletiva, como a que o hip hop proporciona, e conseqüentemente combate à ociosidade e efetivação da inclusão social”, afirma Balensifer.

A Associação atua em parceria com outros movimentos e organizações, além do próprio poder público. Em parceria com a prefeitura de Recife, a Associação pretende criar o Pólo Hip Hop. O objetivo é fortalecer os grupos, bandas e pessoas que direta ou indiretamente contribuem efetivamente com o movimento. Para Sérgio Ricardo, o pólo irá estimular o protagonismo artístico juvenil, a geração de renda e a conscientização política. Seriam realizadas edições mensais com apresentações de rap, break e graffiti. Além disso, está prevista também a realização de oficinas e debates sobre temas de interesse da juventude hip hop.

Além de utilizar as ferramentas que balizam o hip hop, Balensifer acha importante a articulação com outros movimentos sociais que promovam a cidadania. "Mantemos relação com o movimento estudantil universitário e com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Realizamos oficinas de hip hop e apresentações artísticas nos encontros desses movimentos. Foi assim, nas 'calouradas' universitárias, no encontro dos sem-terrinhas, na Semana Nacional de Cultura e Reforma Agrária. Além disso, com o MST, ainda participamos de cursos de formação política”, conta.

A participação em fóruns e encontros políticos também é grande. A Associação marcou presença nas discussões relacionadas ao hip hop no Fórum Social Nordestino e no Fórum Social Mundial. Neste ano, a Associação irá sediar em setembro o Encontro Nordestino de Hip Hop. A intenção é fomentar o intercâmbio cultural e a formação política do hip hop no Nordeste.

A sede da Associação fica na Academia de Desenvolvimento Social, em Recife, Pernambuco.



Fonte: www.rits.org.br