:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     MÚSICA

Tributo a Caco Velho - Germano Mathias


Lançado pela gravadora Atração o mais recente disco de Germano Mathias é uma homenagem ao sambista Caco Velho

Germano Mathias, paulistano de ascendência portuguesa, ainda menino ouvia fascinado, pelo rádio, os grandes sambistas das décadas de 40 e 50, principalmente os intérpretes de samba sincopado e de morro. Profundamente influenciado por Ciro Monteiro, Jorge Veiga, Moreira da Silva, irmãs Linda e Dircinha Batista e Aracy de Almeida, foi em Caco Velho que Germano encontrou seu modelo ideal. Gaúcho de Porto Alegre, nascido em 1919, Matheus Nunes (conhecido como Caco Velho por cantar no início da carreira o samba do mesmo nome, de Ary Barroso) construiu sua fama em São Paulo, tendo por slogan, "O Sambista Infernal", pela sua interpretação repleta de bossa, improvisos e domínio rítmico.

Inundado pelo canto e pelo repertório de Caco, Germano aos 18 anos de idade, de passagem pela Praça da Sé em São Paulo, conheceu os engraxates que faziam batucada nas caixas de madeira e latas de graxa, seja quando lustravam os sapatos dos fregueses ou quando disputavam o jogo da tiririca, espécie de capoeira em que um dos participantes tenta derrubar o outro dentro da roda, enquanto o samba é cantado por todos. Rapidamente Mathias aprendeu não só o bailado dos pés e pernadas, mas também a arte de dominar os instrumentos de percussão e o canto ritmado, o que o fez ser recebido como bamba respeitado nas rodas da cidade, como as da Sé, da Barra Funda e Rua Direita, núcleos onde a cultura negra se manifestava com liberdade e inventividade. A lenda do Branquinho Pixaim começava a ser moldada. Hoje aos 71 anos ele rememora sua história e lança um disco com os sambas que permearam a sua juventude e o ajudaram a traçar o seu caminho.


Projeto Pixinguinha

Criado em 1977, o Projeto Pixinguinha é um dos mais queridos e requisitados programas da música popular brasileira. Através dele, artistas ainda desconhecidos como Zizi Possi, Leila Pinheiro, Djavan foram apresentados ao grande público ao lado de nomes consagrados como Elizeth Cardoso, Martinho da Vila, Nara Leão, Paulinho da Viola, entre outros, em shows memoráveis até hoje lembrados. Os espetáculos percorreram as capitais e quase todas as grandes cidades de Norte a Sul do Brasil em caravanas de artistas.

Retomado a partir de 2004, depois de um período inerte, ele vem em junho de 2005 levar seus shows a região Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Brasília, Teresina, São Luís, Macapá, Manaus, Boa Vista) e encerra a turnê no município paulista Santo André. Dentre os grandes artistas que se apresentam no projeto esta Germano Mathias, que promete boas surpresas do seu mais recente disco.


Projeto Pixinguinha 2005

Responsável: Associação Cultural da Funarte

O projeto promove o resgate da memória musical brasileira por meio da realização de espetáculos por todas as capitais estaduais e em mais doze cidades. As apresentações são divididas em quatro diferentes roteiros (as caravanas) que são cumpridos simultaneamente pelas cinco regiões do Brasil. Cada trupe conta com dois artistas ou grupos de reconhecimento nacional e um artista ou grupo indicado pelas Secretarias Estaduais. No total serão 256 shows.

Também serão relembrados os eventos realizados desde a criação do Projeto Pixinguinha, em 1977, com a digitalização de seu acervo sonoro. Durante esses anos, o projeto passou por crises, modificações em seu formato original e interrupções. No entanto, não foi apagado da memória do público das mais diferentes cidades do país e tampouco da memória dos artistas que dele participaram e, por isso, difundiram seus trabalhos pelo Brasil.


Caravana 3

Alfredo Del-Penho - Violonista, cantor e pesquisador de 23 anos, é um dos destaques do atual cenário de samba e choro no Rio de Janeiro. Em 2004, lançou o elogiado CD Dois bicudos, gravado em dupla com Pedro Paulo Malta - com quem divide também seu disco mais recente, Lamartiníadas (deste ano) cantado em trio com Pedro Miranda. Como instrumentista, acompanha constantemente personagens do samba como Cristina Buarque, Délcio Carvalho e Wilson Moreira. Integra o grupo de choro Regional Carioca e o conjunto de baile Orquestra Republicana.

< Germano Mathias - Cantor e compositor com 50 anos de carreira, é um dos principais representantes do samba paulistano - em seu repertório predominam os sambas sincopados, com destaque para Minha nega na janela (dele com Doca) e Falso rebolado (Jorge Costa e Venâncio). Desde o início da carreira, no concurso À procura de um astro, da Rádio Tupi de São Paulo, foram 20 discos gravados, sendo o mais recente uma homenagem ao compositor gaúcho Caco Velho, lançado neste ano. Em 1967, foi nomeado Bacharel do Samba da Ordem da Palheta Dourada, pela escola de samba santista X-9.

Juraíldes da Cruz - Cantor e compositor gravado por Pena Branca e Xavantinho, Rolando Boldrin e Margareth Menezes, é um sertanejo. Nascido em Aurora do Norte (ex-Goiás, hoje Tocantins), em seus mais de 20 anos de carreira participou de vários festivais musicais e contou em seu primeiro disco, Cheiro de terra (1990), com participações como as de Sebastião Tapajós, Paulo Moura e Xangai, entre ouros. Em 1998, recebeu o Prêmio Sharp na categoria melhor música regional, por Nóis é jeca mais é jóia.


Caravana Pixinguinha

Manaus - show dia 25/06
Centro Cultural
Largo de São Sebastião
19 horas / Gratuito

Boa Vista - Show 27/06 (seg)
Palácio da Cultura
Pça do Centro Cívico, n°84 - Centro
(95) 623-1788
19 horas / Gratuito

Santo André - Show 29 (qua)
Teatro Municipal de Santo André
Praça IV Centenário, 1 - Centro
Tel: (11) 4433-0711 / 4433-0682
20 horas / Gratuito