:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     MÚSICA

CASA DE FARINHA TOCA PELA PRIMEIRA VEZ NA CAPITAL CARIOCA


Folhas de zinco, despertadores, molas, chocalhos, apitos, tambores e matracas. Estes são os instrumentos que, somados à bateria, flauta e cuíca, fazem o som da banda brasiliense Casa de Farinha. Nos vocais, quatro mulheres e dois homens mostram a força e a magia de uma fórmula musical nova, na primeira apresentação da banda na cidade maravilhosa. Apesar de estrear em palco carioca somente agora, o sexteto traz em seu currículo o Prêmio Tim na Categoria Grupo Regional deste ano, que tirou das mãos dos consagrados Trio Nordestino e Araketu. "Estamos muito ansiosos em tocar no Rio de Janeiro, vai ser nossa prova de fogo, mas já estamos acostumados a andar descalços sobre as brasas" filosofa a vocalista Marta Carvalho.

Quem for conferir a performance dos brasilienses no show carioca vai se surpreender com releituras inusitadas de ritmos tradicionais do País, como as folias de Goiás, o Baianá de Maceió, o canto das fiandeiras, as congadas de Minas Gerais, as toadas do bumba-meu-boi do Maranhão e até uma nova versão para o Hino Nacional. "Ao mesmo tempo em que valorizamos os ritmos tradicionais da cultura brasileira, flertamos com a cultura contemporânea" destaca Andréa Siqueira, outra das vocalistas e percussionistas da banda.

Por trabalhar com essa fusão musical, muitas vezes o Casa de Farinha vê seu trabalho ser comparado a grupos como Nação Zumbi, Cordel do Fogo Encantado e Mestre Ambrósio. No festival Rec Beat 2002, recebeu o título de grupo revelação pelo jornal Folha de São Paulo. Em suas andanças pelo mundo, a banda se apresentou no mesmo palco de nomes de destaque na música brasileira: na França com Mundo Livre S/A e no Uruguai com Gilberto Gil. Ambos não poupam adjetivos para qualificar o trabalho do sexteto brasiliense.

Em apresentação recente na Capital Federal, o músico Lula Queiroga convidou o Casa de Farinha, que o antecedeu no mesmo show que reuniu cinco mil pessoas, para cantar uma música juntos. O parceiro de Lenine não se conteve, ajoelhou, levantou os braços para o alto e reverenciou a banda brasiliense. "Eu já tinha visto o show deles em Recife e fiquei impressionado como executam ritmos tão complexos de uma forma tão simples", revela Queiroga.


CAMINHOS

Com pouco mais de cinco anos de estrada, o Casa de Farinha tem muita história a contar. Formado em setembro de 2000, tinha apenas quatro vocalistas/percussionistas: Andréia Siqueira, Débora Aquino, Marta Carvalho e Simone Santos, que saiu em 2001 para uma carreira solo na Suíça. Este foi o momento de transformação para a banda. Além do reforço no vocal feminino com a entrada de Cláudia Daibert, somou-se à banda o percussionista Luciano Marques (O Lupa) e o baterista André Togni, que já assinava a direção musical do quarteto inicial. A mudança conferiu ao grupo o apuro das pesquisas musicais, a fusão de timbre e ritmos contemporâneos, e uma maior valorização à percussão como instrumentos de acompanhamento ao trabalho vocal realizado.

Como toda banda independente, o Casa não se furta a luta para conseguir espaço e reconhecimento em um cenário musical dominado pelas poderosas gravadoras. O Prêmio Tim trouxe um novo gás à banda. Em julho passado, o Casa de Farinha lotou a Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília durante a gravação do seu DVD, também independente. O vídeo traz todas as músicas do primeiro CD homônimo mais um novo arranjo para o Hino Nacional. O cenário foi assinado pelo conceituado artista plástico Lourenço de Bem. A direção é do competente Willian Alves e a fotografia é de André Xará, dupla tarimbada em festivais de cinema no Brasil. De acordo com a Secretaria de Cultura do Distrito Federal, 2.400 pessoas estiveram presentes na gravação do DVD ao vivo dos candangos. O detalhe é que a sala tem lotação máxima de 1.307 assentos. "Foi lindo", resume Andréa.


NOVOS RUMOS

Depois de se apresentar no Rio de Janeiro, o Casa de Farinha já tem confirmado na agenda mais dois shows na Capital Federal, uma apresentação em dezembro no Uruguai e está estudando propostas para o Réveillon. O grupo corre ainda para finalizar o DVD, que está previsto para ser lançado no final de janeiro de 2006, e está captando recursos para entrar no estúdio para gravar seu próximo trabalho. Aos fãs e curiosos, um aviso: as surpresas serão inevitáveis. "A gente não quer ficar limitado à imagem de uma banda que toca percussão. Este é nosso primeiro trabalho, mas muita coisa nova vem vindo aí no segundo CD que já está no forno", revela André Togni.


SERVIÇO:

CASA DE FARINHA
Teatro Rival, Rua Álvaro Alvim, 33/37, Cinelândia
Dia 23/11 - quarta-feira, 20H
R$ 20 inteira e 10 meia.
Os primeiros 100 ingressos sairão por R$ 16 e 8 inteira e meia


ASSESSORIA DE IMPRENSA
Gilberto Evangelista
61 9212-6546
gibadf@gmail.com


PRODUÇÃO EXECUTIVA
Hugo Pierre
(61) 8118-5023 - 3485-9811


Visite o site da banda: www.casadefarinha.multiply.com. Lá você pode ouvir algumas das músicas, ver imagens e conhecer um pouco mais sobre a trajetória da banda.