:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     INTERNET

LEITURAS DA VEJA
Os blogues falam de tudo


Por Deonísio da Silva

Quase todos ainda escrevem "blog", como em inglês, já sem aspas, e não "blogue", em português, como já se fez com "dogue" (sinônimo de cachorro), que deixou de ser "dog" há algum tempo. É um reparo talvez indispensável à matéria de Marcelo Mathe – "Blog é coisa séria" –, na Veja que está nas bancas (edição 1907, 1/6/05). Afinal, os jornalistas não podem se furtar à missão de trazer novas palavras para a língua portuguesa quando, como é o caso, elas são necessárias. (Algumas linhas abaixo, o jornalista, premido pela necessidade, escreverá blogueiro. Por que, então, não grafou "blogue"?)

O texto nos informa que já existem 30 milhões de blogues no mundo e que este número quase dobrará até o final de 2005, chegando a 53 milhões. No Brasil, num universo de cerca de 12 milhões de internautas, 7 milhões deles visitaram blogues somente no mês de abril. A palavra escrita encontrou novo caminho na internet e já apresenta números equivalentes a ouvintes de rádio e telespectadores de televisão. O cinema já ficou para trás faz tempo. E a leitura impressa coexiste entre paradoxos: insatisfeitos com a Galáxia Gutenberg, os internautas buscam na rede o que não encontram em livros, jornais e revistas, mas voltam aos três com inusitada freqüência, pois este é o caminho natural de quem pesquisa ou simplesmente procura!

Mas procuram o quê? O que não encontram em livros, jornais e revistas, certamente. Mas este não é o único motivo: na internet, a busca está ao alcance de poucos cliques. "No ano passado, os blogs (sic) foram a área que mais cresceu na internet nacional", segundo declaração de Alexandre Magalhães, do Ibope/NetRatings (Prestem atenção ao monstrinho que agregaram ao Ibope. Não teriam outro nome, outra forma de denominar o trabalho adicional?)


Atendimento preferencial

O texto deflagra oportunas reflexões. Como se comportariam os dissidentes políticos que da ex-União Soviética enviavam seus manuscritos, por meio de portadores especiais, se pudessem utilizar os blogues? Hoje, na China e no Irã o blogue tornou-se um dos últimos recursos da liberdade.

De acordo com o texto, os inventores do blogue foram Evan Williams e Jason Shellen, liderando uma equipe de jovens interessados apenas em utilizá-lo como ferramenta doméstica de trabalho em informática. "A ferramenta deu tão certo, contudo, que eles decidiram abri-la ao público". O Google adquiriu a empresa em 2003.

Quem está acostumado às tradicionais notas de pé de página ou a remissões em fins de capítulos, tem dificuldades de acompanhar a constelação de novos caminhos abertos nas janelas dos blogues: "Na semana passada, havia 22.532 atalhos para seu endereço em outras páginas da internet", diz Mathe, comentando o desempenho do blogue Boing Boing, dos EUA, especializado em cultura pop e tecnologia.

Num dos blogues brasileiros mais visitados – o de Alexandre Soares Silva – as cotas raciais nas universidades e a literatura brasileira passam por maus bocados. "Eu adoro provocar", diz o blogueiro.

Quem comprou Veja nas bancas, leu primeiro. Para a revista, os assinantes, cota garantida de leitores, vêm em segundo lugar. Os franco-leitores têm estranha preferência no atendimento. Mas vale a pena ler a matéria. Se você é daqueles leitores que pouco sabem de blogues e blogueiros, a leitura é indispensável.


Fonte: www.observatoriodaimprensa.com.br