:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor


Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     DANÇA

Aldo e Caminada


Eliana Caminada

Aldo 80

Não há como deixar sem registro um acontecimento que, fora do Brasil, suscitaria todo tipo de homenagens, galas, medalha outorgada pelo parlamento, e outras honrarias com que se cultuam personalidades do seu porte. Falo de Aldo Lotufo.

Não importa que, provavelmente, a presidência da Fundação Theatro Municipal sequer o conheça; nem que os colegas bem jovens, detentores de muitas piruetas e double tours, não consigam dimensionar sua importância porque não recebem esse tipo de orientação fundamental quando estão em fase de formação; nem que outras gerações, em geral voltadas apenas para suas próprias glórias pessoais, descuidem do necessário culto aos que os precederam, iludidos, ao que parece, quanto à importância da história da Instituição na qual dançam, umbilicalmente ligada a esse grande artista; não importa que o público de hoje não seja educado para venerar filhos com o brilho pessoal e, acima de tudo, com a vocação de Aldo.

Aldo Lotufo em Giselle, 2º ato Falando com franqueza, importa sim, mas já que ninguém se manifesta, daqui, da minha coluna despretensiosa, escrevo em letras maiúsculas: ALDO LOTUFO COMPLETOU 80 ANOS!!!

Pois bem, para os que nunca viram Aldo dançar, para os que jamais trabalharam com ele, posso afirmar, sem sombra de errar, que ele representa uma mística. Era belo, sem dúvida, grande partner, nobre, clássico. Sua vida foi o Theatro, casa da qual só se afastou fisicamente por um tempo, assim mesmo quando não reconheceu, em determinada administração, alguma coisa visceral, essencial, associada a "sua casa". Foi-lhe impossível, por exemplo, ver sua companhia trabalhando num clube de patricinhas da zona sul. Bem que tentou! Chorando, afastou-se correndo daquele lugar que nada tinha a ver com Theatro Municipal; sequer era um teatro, um estúdio familiar, com atmosfera de arte, de arte, de arte. Sua sensibilidade rejeitou aquele arranjo bizarro, bem digno daquela administração.

Episódios da vida de Aldo são, para muitos, talvez a maioria, desconhecidos; como, por exemplo, a felicidade de lesionar o menisco, que lhe deu o pretexto, tão desejado, para rejeitar o convite de Lucia Chase para integrar como solista o American Ballet Theater.

Os que não convivem com Aldo não podem imaginar que seu mundo é amplo no sentido de cultura artística, mas está circunscrito ao Rio histórico, à feira de antiguidades da Praça XV, ao beco do Theatro, ao Largo da Carioca, àquelas redondezas atemporais distantes do Rio balneário e fútil. Vive no meio de seus quadros, livros, peças antigas, CDs, óperas, criando um mundo particular onde poucos penetram. Sou uma dessas pessoas. Tive a honra de dançar a seu lado inúmeras vezes, inclusive no último espetáculo de sua longa vida de bailarino, já com 56 anos, ainda com força para interpretar Les Sylphides e o pas-de-deux de D. Quixote.

Aldo e Caminada Mas a vida me ligou a Aldo, também, através de sua amizade por Eric Valdo, meu marido. Sem pieguices, que não fazem parte da personalidade de nenhum dos dois, eles mantêm uma relação fraternal, tão duradoura, tão sólida, que poucos irmãos podem se gabar de usufruir. Têm uma confiança inabalável um no outro, se respeitam e se conhecem. Mais do que isso: Aldo é um dos nossos padrinhos de casamento.

Há pouco tempo, no jornal Dança, Arte e Ação, falei de Bertha Rosanova. Há como esquecer que ambos formaram a dupla mais emblemática do Municipal do Rio? Há como omitir que eles representaram para nós o que Fonteyn e Nureyev representaram para o mundo? Duplas de bailarinos dependem de uma química, de uma sintonia que, ou se estabelece e o par se funde, se transforma num único ser, ou o resultado será, parcialmente falso. Bertha e Aldo, artistas de cuja amizade me orgulho de privar, formaram essa dupla. Completavam-se em cena.

Aldo 80, você está muito bem, graças a Deus. Obrigada pela sua amizade, pelo desprendimento de continuar dançando para me ensinar muito do que eu ainda não sabia. Aldo 80, o Brasil lhe deve uma homenagem por essa data, sobretudo chegando a ela com a integridade física e mental em que você se encontra. Aldo 80, o Theatro Municipal, seu staff, talvez não mereça artistas do seu porte porque não os cultua, mas você mereceu sempre este Theatro ao qual dedicou a vida.

Aldo, por essa data, pelo nosso amor comum pelo ballet e pelo Theatro, pela nossa amizade pessoal, pelos nossos desentendimentos íntimos, um beijo. Eliana





Eliana Caminada é orientadora e consultora, escreveu vários livros sobre dança, e responde pelas disciplinas História da Dança e Técnica de Ballet Clássico no Centro Universitário da Cidade. Professora convidada no projeto "Sons Dançados do Brasil" do Centro de Artes Calouste Gulbenkian, colabora com o jornal "Dança, Arte & Ação" e participa, como palestrante, jurada ou pedagoga, de festivais e mostras de dança por todo o Brasil. Foi bailarina do "Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro", primeira-bailarina do "Balé Guairá" e solista do "Ballet da Ópera Estatal de Munique".




Visite o site: www.elianacaminada.com