:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Urariano Mota
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ROSELI PEREIRA

Básico
Uma pincelada geral sobre o ato de se alimentar bem


Por Roseli Pereira*

A essas alturas do campeonato, você já percebeu que só existe um lugar no mundo em que a comida e os convidados ficam juntos, na mesma mesa: a sua casa. Mesmo assim, existem procedimentos que devem ser evitados a qualquer custo, ainda que você esteja comprovada e inequivocamente só: nem sequer um inseto merece testemunhar as barbaridades que a gente seria capaz de cometer, se não fosse rigorosa com certos limites.

Uma delas é meter o próprio talher em qualquer recipiente que não seja o prato em que está comendo: além de muito feio, tal procedimento consiste num verdadeiro atentado contra a saúde pública.

Outra é fazer uma pilha de comida e ficar escondido atrás dela. O bom fingidor repete quantas vezes forem necessárias, mas pega só um pouquinho por vez. Se você tem vergonha de fazer isso, contente-se em passar fome ou peça que alguém da sua confiança distraia os outros convidados enquanto você repete. Mas nunca, jamais e em tempo algum encha o prato ou deixe que sobre alguma coisa nele, depois.

Fora esses pequenos detalhes, se você se abstiver de falar com a boca cheia e de mastigar com a boca aberta, não conseguirá fazer feio. A não ser, é claro, que resolva jogar os ossos para trás e limpar as mãos na roupa. Mas isso já é uma conversa para o capítulo dos casos perdidos.


Não perca, na próxima semana: "Sim, existe a maneira correta de usar o telefone."




* Roseli Pereira (quarenta e uns) é paulista, redatora publicitária e corinthiana (nesta ordem). Escreve desde sempre, mas só começou a desengavetar seus textos no dia em que descobriu a Internet. Dali em diante, foi ficando cada vez mais cara de pau e ganhou o papel. Atualmente, tem crônicas publicadas em 3 das 4 antologias dos Anjos de Prata e em alguns jornais do interior do Estado de São Paulo.