:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ROSELI PEREIRA

Básico
Roupa adequada para o trabalho


Por Roseli Pereira*

Por mais que as pessoas esperneiem, existe, sim, roupa adequada para cada ocasião. Brilhos, transparências, tecidos esvoaçantes, babados, saias muito longas ou muito curtas, decotes e fendas de qualquer profundidade, saltos muito altos e enfeites em excesso, definitivamente não são escolhas civilizadas para usar no ambiente profissional. A não ser, é claro, que você seja cantora de boate ou modelo. E se for modelo, só se estiver desfilando ou posando.

Todo santo dia eu encontro nas ruas e escritórios pelo menos dez mulheres nesta triste situação. Ainda bem que na empresa onde trabalho isso nunca acontece. Em primeiro lugar, porque somos todas extremamente civilizadas, e em segundo lugar porque o regimento interno não permite.

De qualquer maneira, se você é mulher e, num belo dia, acordar com uma vontade imensa de ir para o trabalho com aquele vestidinho básico que usou no casamento do seu primo, resista. Resista bravamente. E caso não se sinta forte o bastante para enfrentar tal crise com dignidade, invente uma enxaqueca ou diarréia e fique na cama até a vontade passar. Pode ser que leve alguns dias, mas qualquer esforço é mais civilizado do que comprometer a sua imagem diante de olhares críticos e das más línguas, inclusive a minha.


Não perca, na próxima semana: "Finja que sabe se vestir civilizadamente V - Insistindo nas combinações adequadas."




* Roseli Pereira (quarenta e uns) é paulista, redatora publicitária e corinthiana (nesta ordem). Escreve desde sempre, mas só começou a desengavetar seus textos no dia em que descobriu a Internet. Dali em diante, foi ficando cada vez mais cara de pau e ganhou o papel. Atualmente, tem crônicas publicadas em 3 das 4 antologias dos Anjos de Prata e em alguns jornais do interior do Estado de São Paulo.