:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor


Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ROSELI PEREIRA

Qualidade total
Por Roseli Pereira*

E então aquela voz impostada respondeu cerimoniosamente: "ele não se encontra".

Coitado! Ainda hoje pela manhã ele me pareceu tão bem! Como foi que tudo aconteceu? Pancada na cabeça? Álcool demais na hora do almoço? Desgosto com o salário?

Mas a pobre não soube responder. E ficou repetindo sem parar que ele foi a uma reunião. Mas como? Foi a uma reunião sem se encontrar? Vai ficar mais perdido ainda.

Que tristeza! Tão jovem, tão talentoso, tão promissor e com uma funcionária dessas.

Aposto que se ele finalmente conseguisse se encontrar, ela não hesitaria em soltar um "quem gostaria?"

Gostaria de quê, minha filha? Você acha mesmo que alguém gostaria de ficar ouvindo esse tipo de baboseiras telefônicas? A gente só agüenta isso por obrigação profissional.

Tão ruim quanto é quando alguém manda uma carta, um fax ou e-mail se colocando no aguardo. No aguardo é demais. Tá certo que pelo menos economiza um gerúndio. Só que deveria aproveitar pra economizar, também, essa tal de contração. Mas aí é já é pedir muito. Pra quem fica no aguardo, contração só pode ser sinal de que o bebê vem aí.

Geralmente esse tipo costuma, ainda, inteirar o chefe. Não estranhe. Dizem que existem certos tipos de chefe que chegam pela metade. Ou faltando pedaço. Ou mesmo aos pedaços, dependendo da ocasião. Aí só resta ao funcionário mais dedo-duro a tarefa de juntar tudo e inteirar.

E quando termina o servicinho sujo é que é uma maravilha: olha de cima para os colegas de escritório e diz: pronto, o chefe já foi inteirado. E soa assim: contei tudo pro papai. Agora vocês vão ver uma coisa.

Isso é o que eu chamo de eficiência.



* Roseli Pereira (quarenta e uns) é paulista, redatora publicitária e corinthiana (nesta ordem). Escreve desde sempre, mas só começou a desengavetar seus textos no dia em que descobriu a Internet. Dali em diante, foi ficando cada vez mais cara de pau e ganhou o papel. Atualmente, tem crônicas publicadas em 3 das 4 antologias dos Anjos de Prata e em alguns jornais do interior do Estado de São Paulo.