:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     COLUNA POP-UP

19/08/05


Mistério na música


Por Alberto Cataldi* divulgação

Jandek é o ET de Varginha da música pop. Alguns afirmam de pé junto que ele existe, outros acham que ele é uma invenção. Acredite ou não, são bons os argumentos que amparam todas as opiniões.

Embora tenha gravado 42 álbuns, ninguém tem realmente certeza se ele é real. Isto porque Jandek é averso a dar entrevistas, fazer shows, promover seus trabalhos ou qualquer coisa do tipo.

Seu primeiro disco é de 1978, "Ready For The House". O último é deste ano, "Raining Down Diamonds". Aliás, só este ano o sujeito já lançou três cedês. Você encontrou algum à venda? Nem eu. Todos são produzidos por uma tal Corwood Industries, que todos acreditam ser dele. A gravadora não tem endereço, mas uma caixa postal: 15375, Houston TX 77220. divulgação

Embora os primeiros discos em vinil dele tenham sumido de circulação em 1999, a Corwood digitalizou e relançou todos em cedê em 2003. Eles podem ser comprados por 4 dólares cada. Nem "Os Mutantes" conseguiram isso!

A sonoridade é ímpar. Isso porque nem mesmo Jandek é uma referência de Jandek. Enquanto alguns discos trazem trabalhos com parcerias e sonoridade de banda, outros são quase artesanais, com apenas um instrumento (violão, contrabaixo, guitarra) e voz. O peculiar é que a mudança de estilo acontece de um álbum para o outro, sem qualquer indicação de inclinação artística. O homem simplesmente adere a uma sonoridade e manda ver. Ele costuma lançar várias versões para uma mesma música. No geral, ele sempre soa triste e solitário, tem referências a blues e folk, já que suas valoriza o andamento, a voz e as letras. divulgação

Embora Jandek tenha aparecido em 24 das capas de seus álbuns (como estas que acompanham a coluna), as imagens geralmente são embasssadas e muitas pessoas sequer acreditam que é ele. Dizem que o é só um ruivo qualquer para confundir o público.

Seria um empresário rico que lança discos como hobby? Uma invenção fonográfica para perpetuar o mito do "indie"? Algum artista famoso, lançando trabalhos variados com outro nome? Apenas uma atração turística musical? Ninguém tem certeza. Mas diversos artistas já citaram Jandek, e ele até deu uma breve entrevista para a revista Spin nos anos 80 e outra para uma revista do Texas na qual - depois de papear sobre alergias e jardinagem com a repórter - pediu educadamente que nunca mais o entrevistassem sobre Jandek de novo.

Procurando, você encontra músicas na internet, um documentário ("Jandek on Corwood", em devedê) e diversas reportagens. É um mistério vivo. E alguns mistérios são legais demais para deixarem de ser mistérios.

Falando nisso... Assistiu o LOST esta semana? O último episódio da temporada. Uma das melhores coisas que a televisão exibiu este ano. Com direito a descobertas, mortes, despedidas, fugas. Simplesmente fantástico. E são poucas as séries que podem se dar ao luxo de uma seqüência de mais de 3 minutos sem nenhuma fala ou ação relevante. Apenas um longo flashback dos passageiros embarcando. Aqueles que, ao longo dos últimos 22 episódios, conhecemos, tememos, pelos quais torcemos e com os quais nos aliviamos.

Agora eles abriram a escotilha, agora nós já vimos "os outros" e o que eles queriam, sabemos o que é "o mostro"... E, ainda assim, não dá para saber nada. Tudo continua muito imprevisível. Os personagens (exceto a chata da Kate) ainda interessam e despertam curiosidade. Ah, e o Hurley deve ser o personagem mais carismático da história das séries de suspense.

Ainda dá para assistir o fim da temporada na maratona que vai reprisar os últimos seis episódios no AXN neste domingo, começando às três 15h00. E a série já foi comprada e será exibida (dublada... ugh...) na TV Globo. É só esperar.


Três acordes: CQÉR

divulgação @ O Nine Inch Nails vem para o Brasil, fechando o que deve ser o ano mais movimentado de bandas internacionais que este país já viu. As apresentações serão no Claro Que é Rock, no Rio e São Paulo. O festival será simultaneamente nas duas cidades, com shows se revezando nos dias 26 e 27 de novembro.

@ A organização do festival afirmou que ainda outras 5 atrações internacionais e 4 nacionais integrarão o elenco. Essas, mais as oito bandas independentes que foram selecionadas nas aberturas dos shows do Placebo no Brasil. Os shows vão acontecer em dois palcos, um "principal" e outro "secundário", que ficarão um em frente ao outro. No principal acontecem os shows grandes, no secundário, tocam as bandas independentes nos intervalos. Som ininterrupto!

@ Bandas que estavam cotadas mas que não virão para o festival: The Cure (disse que não pretende vir à América Latina este ano), New Order (os caras vão tirar umas férias a partir de novembro), Quees of The Stone Age (como Josh Homme está para casar, a noiva dele proibiu que ele viesse para o país... vai entender...)


Links da semana

Desvende o mito Jandek aqui, aqui e aqui.
Para ter uma prévia do sho do NIN, entre neste site.

É isso. Fiquem na paz, e até mais.





*Alberto Cataldi, 20 anos, é paulista, estudante e estagiário de jornalismo. Aprendeu a gostar de música com o U2, de cinema com De Volta Para o Futuro e de literatura com quadrinhos do Batman. Escreve na Wooz sobre música e cultura pop, e acha isso muito divertido. Não gosta de fazer listas de coisas preferidas, porque sempre esquece alguma importante, e isso o deixa transtornado.