:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor


Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     CINEMA

ENTRETENIMENTO E CULTURA DA VIOLÊNCIA
por Octavio Ianni


Todas as sociedades, em todo o mundo, estão sendo alcançadas pela cultura de massa industrializada, na qual persiste e desenvolve-se a cultura de violência, terrorismo e catástrofe

No cinema, na televisão e no romance encontram-se muitos dos temas e das situações em que participam indivíduos e coletividades em todo o mundo. São temas e situações relativos a incidentes mais ou menos prosaicos ou surpreendentes, interessantes ou decisivos, líricos ou dramáticos, cômicos ou trágicos. Sob muitos aspectos, uma parte da produção cinematográfica, televisiva e romanesca contribui muitíssimo para que leitores, espectadores e audiências construam e aperfeiçoem a sua visão da realidade e do imaginário, de si mesmos e dos outros, no que pode haver de prosaico e revelador, constitutivo e aterrador. Muito do que é a imagem que uns e outros constroem sobre a realidade social, em suas implicações políticas, econômicas e culturais baseia-se em produções cinematográficas, televisivas e romanescas. Os signos e símbolos, emblemas e alegorias, assim como os conceitos e as categorias, podem ser as taquigrafias com as quais se articula, compreende, explica ou inventa a realidade, o outro e o eu, o eles e o nós, o bem e o mal.

A rigor, se produções culturais do cinema, romance e televisão, além das produções formuladas em outras linguagens, participam de forma cada vez mais contínua e intensa da vida de uns e outros, indivíduos e coletividades, em todo o mundo. Esse é um processo que se desenvolve de forma intensiva e extensiva no século 20, acentuando-se com a passagem das décadas e continuando a expandir-se no século 21. Aos poucos, a produção cultural, ou fabricação de produtos culturais, torna-se uma esfera altamente lucrativa de aplicação do capital. Aí mobilizam- se aparatos e equipes complexos e sofisticados, de modo a produzir filmes, programas de televisão e romances. O mercado parece exigir cada vez mais produções, isto é, as produções exigem cada vez meio mercados, ou seja, leitores, espectadores e audiências, todos consumidores.

Logo muitos estão engajados na ³indústria cultural², indústria essa cada vez mais sequiosa de novas produções, maior capitalização, mais audiências, leitores e espectadores. Sem esquecer que a indústria cultural concretiza- se em empresas; corporações e conglomerados, não só poderosos como expansivos, atravessando territórios e fronteiras, povos e nações, impregnando culturas e civilizações. São empreendimentos de vastas proporções nos quais se mobilizam muitas categorias de profissionais, intelectuais, técnicos, artistas, equipes, informações, operações publicitárias, lançamentos espetaculares.

Esse o contexto em que nascem a imaginação, a produção, difusão e o consumo de filmes, romances e programas de televisão sobre desastres e catástrofes, medo e terror, tumulto e desespero, aflição e pânico, violência e terrorismo, destruição e ruínas. Até mesmo dos desastres ambientais, ecológicos ou naturais; envolvendo o terremoto e a tempestade, o furacão e a erupção vulcânica, a inundação e a submersão de povoações, os mortos e os afogados, os pertences dispersos na vastidão das águas e nos páramos da terra gasta, tudo isso pode ser incorporado no filme, romance ou noticiário da televisão.

Assim se alimenta o imaginário de uns e outros, indivíduos e coletividades, em todo o mundo. Combinam-se o desastre e o pânico, o terrorismo e o medo, a destruição e a ruína, a engenhosidade e a produtividade, a performance e lucratividade. Produzir o desastre, o terror e a destruição é produzir cultura e mercadoria, informação e entretenimento, lucro e mais-valia.

Simultaneamente, produz-se uma vasta, complexa, difusa, pervasiva e ativa cultura de massa, permeando o imaginário de uns e outros, em todo o mundo. De par-em-par com outras produções culturais locais, nacionais e mundiais, bem como tendo-se em conta as condições de existência, diversidades e desigualdades sociais, de gênero, étnicas, lingüísticas e religiosas de uns e outros, intensifica- se e expande-se de modo avassalador a produção de cultura de massa em geral eivada de catástrofe, pânico e ruína.

Essa é a cultura da violência. A pretexto de retratar e exorcizar a violência que impregna a fábrica da sociedade, exacerba e leva ao paroxismo todas as formas e gradações de violência já que essa produção é também lucrativa além de ³despolitizar² multidões, influenciando mentes e corações. É óbvio que essa vasta e crescente produção cultural, com esses temas e esquemas publicitários, seus impactos e surpresas, sua mescla de informação e entretenimento e sua massiva estetização e sensualização, impressiona leitores, audiências e espectadores em todo o mundo. Mesmo porque essa vasta e crescente produção é fabricada contínua, intensiva e extensivamente pela indústria cultural, entendendose que a indústria cultural é um setor econômico, financeiro, tecnológico e cultural em que se investem vultosos capitais em empresas, corporações e conglomerados nacionais e transnacionais. Essa é uma produção que se realiza em muitas partes do mundo, segundo planejamentos altamente sofisticados distribuindo-se contínua e sistematicamente em sociedades latino-americanas, africanas, asiáticas, européias e norte- americanas. Todas as sociedades, em todo o mundo, estão sendo alcançadas pela cultura de massa industrializada, na qual persiste e desenvolve-se a cultura de violência, terrorismo, catástrofe.

Jeffrey Johnson: "É preciso reduzir a 1 hora diária o tempo gasto por adolescentes diante da TV. Do contrário, o risco de que jovens entre 16 e 22 anos desenvolvam comportamento violento ou mesmo criminoso pode triplicar... Hoje, 60% da programação nos EUA mostram cenas violentas. Isso está presente não só em programas de entretenimento e filmes, mas também nos comerciais" 1.

Karl Popper: "A violência, o sexo, o sensacionalismo são os meios a que os produtores de televisão recorrem mais facilmente: é uma receita segura, sempre apta a seduzir o público. E, se este acaba por se cansar, basta aumentar a dose... Recenseou-se um número não negligenciável de casos em que os autores de atos criminosos admitiram terem-se inspirado no que tinham visto na televisão"2.

John Condry: "A televisão influencia as convicções, os valores e as condutas dos telespectadores, mas não todos do mesmo modo. A sua influência varia em função do tempo que as pessoas passam diante do ecrã e do conteúdo dos programas. Por outro lado, o nível de instrução do telespectador, o seu ambiente social ­ o contexto familiar, nomeadamente são fatores que determinam profundamente a influência exercida pela televisão"3.

A indústria cinematográfica adquire importância crescente no curso do século 20, ingressando no século 21 com mais força, criatividade e espetacularidade. Além das técnicas desenvolvidas desde os seus inícios, a partir do filme falado e colorido, adquiriu ainda maior importância como produto cultural e mercantil. Desde a incorporação das tecnologias eletrônicas, no entanto, ingresso em pleno paroxismo, alcançando possibilidades de impacto, deslumbramento, terror e alucinação inimagináveis. Cada filme de desastre pode ser uma maravilha de desastre, enriquecido pelos recursos da estética eletrônica, alcançando realizações excepcionais, em termos de estetização e sensualização, de permeio e deslumbramentos e ruínas, terrorismo e emoção, catarse e lucratividade. Certamente alguns cineastas surpreenderam-se com o desmoronar das torres gêmeas do World Trade Center, no dia 11 de setembro de 2001, pelo que houve de cinematográfico no ataque terrorista e pelo que há de terrorismo no filme de catástrofe .

Sim, parte importante de produção cinematográfica norte-americana, japonesa e de outras nações industrializa catástrofes reais e imaginárias, possíveis e inimagináveis. Essa é uma produção ­ que povoa pervasiva muito as culturas de massa em todo o mundo. Sob vários aspectos, o cinema tornou-se a mais poderosa agência de violência de todos os tipos, dos desastres naturais às catástrofes sociais, desenvolvendo signos, símbolos, emblemas e alegorias da cultura do terrorismo, a caminho do nazismo.

Há ocasiões em que o terrorismo migra fluentemente da indústria cultural ao discurso político, e vice-versa, como ocorre com o emblema Armagedon, que está no discurso do presidente norte-americano Ronald Reagan e no filme que leva esse nome, ambos anunciando desastres universais.

Bruce Orwall: "No comecinho de maio (1998), o presidente dos estúdios Walt Disney, Joe Roth, decidiu gastar mais de 3 milhões de dólares em cenas de explosões e efeitos especiais adicionais para o filme Armagedon, a superprodução lançada na sexta-feira nos Estados Unidos e com estréia marcada para 7 de agosto no Brasil. Foi o que bastava para que Jerry Bruckheimer e Michael Bey, produtor e diretor do filme, respectivamente, corressem para filmar novas cenas apocalípticas em Paris, Xangai e Nova York, numa complexa pirotecnia cujo objetivo, segundo Roth, era garantir "imagens inéditas para as duas últimas semanas de campanha publicitária" do filme na TV... A pressão sobre o estúdio é ainda maior porque, em maio, as rivais Paramount Pictures e Dreamvorks SKG surpreenderam ao emplacar com Impacto Profundo, um filme cuja premissa é praticamente idêntica à de Armagedon (para quem ainda não sabe, este último traz um asteróide em rota de colisão com a Terra. Bruce Willis na liderança de um grupo disposto a impedir a catástrofe; em Impacto Profundo o vilão é um cometa)"4.

Susan Sontag: "O cinema de ficção científica... trata da estética da destruição com a beleza peculiar que pode ser encontrada ao desencadear a destruição e ao provocar a desordem. E é nas imagens de destruição que se encontra a essência de um bom filme de ficção científica... Os filmes recentes de ficção científica possuem uma ferocidade deliberada favorecida por seu grau muito maior de verossimilhança visual, que contrasta acentuadamente com os filmes mais antigos. A moderna realidade histórica ampliou sobremaneira a imaginação de catástrofe, e os protagonistas ­ talvez pela própria natureza do inimigo que os ataca ­ já não parecem totalmente inocentes. A nossa é em realidade uma época de extremismos. Pois vivemos sob a constante ameaça de dois destinos igualmente temíveis, mas aparentemente opostos: a persistente banalidade e o terror inconcebível. É a fantasia, ministrada em grandes porções pelas artes populares, que permite à maioria das pessoas conviver com esses dois fantasmas. Pois a fantasia pode contribuir para tirar-nos da insuportável pasmaceira e distrair-nos dos terrores ­ reais ou antecipados ­ permitindo-nos fugir para situações exóticas e perigosas com finais felizes. Mas outra coisa que a fantasia pode fazer é normalizar o que é insuportável do ponto de vista psicológico, acostumandonos a isso. No primeiro caso, a fantasia embeleza o mundo, no outro, neutraliza-o"5. Essa é a idéia: com a indústria cultural difundem-se e estimulam-se soluções inesperadas e desesperadas, terrificantes e suicidas, destrutivas e assassinas. A sofisticação técnica e organizatória do ataque terrorista, como o do dia 11 de setembro de 2001, parece semelhante à sofisticação técnica e organizatória revelada na produção cultural sobre violência, terrorismo, desastre. Um parece seqüência do outro, inclusive em termos de espetacularidade assustadora e fascinante, brutalidade estetizada; tal modo que um e outro assemelham-se; o que pode resultar em que um é o outro, já que ambos se produzem na mesma fábrica da sociedade. Fábrica no sentido de que a sociedade moderna, burguesa ou capitalista fabrica integração e fragmentação, diversidades e desigualdades, acomodações e tensões, riqueza e alienação, desespero e alucinação. Nesse sentido é que se encontram ressonâncias, paralelismos e contemporaneidades entre temas e situações, realidades e virtualidades, soluções e ilusões, brutalidades e destruições presentes na indústria cultural e na fábrica da sociedade. Essa matéria de criação forma-se, conforma-se e transforma-se com o tecido social, as formas de sociabilidade, os jogos das forças sociais, compreendendo divisão do trabalho social e hierarquias simultaneamente sociais e político-econômicas, crescente socialização do processo de trabalho e produção bem como crescente concentração da riqueza social nas mãos de elites governantes e classes dominantes.

Essa é, em larga medida, a cultura do nazismo. Sob o nazismo, a violência é importante, prevalecente, fundamental, constitutiva, um estado de espírito permanente e uma prática contínua. As mais diversas formas de violência revelam-se exercícios de afirmação, audácia, brutalidade, força, missão. Aí a violência se exercita como um modo de ser do super-homem, herói, Rambo, defensor da pátria, salvador da humanidade, mensageiro do ocidentalismo.


Notas

1 Jeffrey Johnson, citado de um artigo publicado na internet, Science, 28 de março de 2002, por Reinaldo José Lopes, TV Induz Agressividade, Folha de São Paulo, 29 de março de 2002, p. A 14.

2 Karl Popper e John Condry, Televisão: Um Perigo para a Democracia, trad. de Maria Carvalho, Gradiva, Lisboa, 1995, p. 22; citação do ensaio intitulado Uma Lei para a Televisão.

3 Karl Popper e John Condry, Televisão: Um Perigo para a Democracia, citado, pp.63-64; citação do ensaio intitulado Ladra do Tempo, Criada Infiel. Consultar também Cynthia Schneider e Brian Wallis, Global Television, Wedge Press, New York, 1988; Giovanni Sartori, Homo videns (La Sociedad Teledirigida), Taurus, México, 1998; Pierre Bordiu, Sobre a Televisão, trad. de Maria Lúcia Machado, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, 1997.

4 Bruce Orwall, Como a Disney Preparou o Armagedon para a Batalha na Bilheteria, O Estado de S.Paulo, São Paulo, 1 de julho de 1998, p. B- 16; artigo transcrito do The Wall Street Journal.

5 Susan Sontag, Contra a Interpretação, trad. de Ana Maria Capovilla, L&PM Editores, Porto Alegre, 1987, pp. 247, 249 e 261; citações extraídas do ensaio intitulado A Imaginação da Catástrofe. A propósito de Época de Extremismos², Hans Magnus Enzensberger, Guerra Civil, trad. de Marcos B. Lacerda, Companhia das Letras, São Paulo, 1995; John Gray, Falso Amanhecer (Os Equívocos do Capitalismo Global); trad. de Max Altman, Editora Record, Rio de Janeiro, 1999.


Fonte: www.revistaforum.com.br