:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Urariano Mota
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     Cinema

King Kong


Valmir Junior*

Peter Jackson queria fazer esse filme desde pequeno, quando se encantou com o clássico King Kong, de 1933, com a atriz Fay Wray. Decidiu que, a partir dali, seria diretor de cinema. E lá se passaram muitos anos e eis que Jackson conseguiu o que queria. Hoje é diretor renomado, sua trilogia O Senhor dos Anéis foi sucesso no mundo inteiro e ganhou vários Oscars; ele pode fazer o filme que quiser. E foi então que Jackson voltou com sua idéia original: refilmar King Kong da forma que sempre pensou.

Bem, como todos sabem, a história é simples: o inescrupuloso diretor Carl Denham (Jack Black) - uma espécie de Orson Welles - quer fazer seu mais novo filme, mas não tem a atriz certa e seu estúdio não o apóia. É então que ele se depara com Ann Darrow (Naomi Watts), atriz desempregada e a convence a embarcar no navio para a ilha onde irão filmar. No navio, Darrow se apaixona pelo dramaturgo Jack Driscoll (Adrien Brody). Mas ao chegarem na ilha supostamente deserta, Ann acaba sendo raptada e oferecida em sacrifício ao gorila gigante. Porém, os dois acabam estabelecendo uma certa relação. Daí para o final, o filme gira freneticamente e culmina com a famosa cena no Empire State Building, em Nova York.

E o que Jackson nos oferece de novo? A estrutura do filme inclui agora maior profundidade entre as personagens e o filme contém muita ação (incluindo, logicamente um exército de efeitos especiais). E essa profundidade entre as personagens é o que engrena o filme, principalmente a relação entre Ann Darrow e o próprio King Kong. Ambos se assustam inicialmente, depois se conhecem e então o amor impossível é instalado no coração do gorila. Configura-se a tragédia em que a fera se apaixona pela bela.

Jackson transforma o filme original, em que Fay Wray se limitava a se assustar com King Kong, numa história de amor, que tem seus momentos inspiradíssimos (como a cena de "dança" num lago congelado do Central Park) e que captam a platéia de forma impressionante. Até mesmo as seqüências mirabolantes de ação ficam ao fundo quando a loira e o macaco entram em cena. E Naomi Watts mais uma vez acerta no tom de sua Ann Darrow, conseguindo ser verossímil em meio a tanta inverossimilhança, enquanto Andy Serkis, aquele que fez o Gollum de O Senhor dos Anéis, agora novamente empresta seu corpo para a digitalização de King Kong. O gorila de Serkis é capaz de transmitir emoções fortes e o casal principal se torna o mote do filme.

Vale por todo o arsenal digital? Vale. A primeira hora do filme estabelece as personagens e um certo suspense. A segunda hora nos oferece o que há de melhor em entretenimento: toda a seqüência da Ilha da Caveira é espantosa, incluindo um estouro de dinossauros, ataque de insetos gigantes e o resgate de Ann Darrow das garras de três tiranossauros. A terceira hora é reservada para o clímax final em Nova York. E Jackson ainda consegue incluir muitas mensagens, como a ganância, a hipocrisia e muito mais do show de horrores humano.

Grande entretenimento, grande história, grande direção. Palmas ao diretor. Provou que sabe fazer histórias de amor e ainda sabe colocar as imagens digitalizadas a seu favor. Que venha mais de Jackson.


King Kong (2005). Direção: Peter Jackson. Elenco: Naomi Watts, Adrien Brody, Jack Black, Thomas Kretschmann, Colin Hanks, Andy Serkis, Evan Parke, Jamie Bell, John Sumner, Kyle Chandler, Frank Darabont, Peter Jackson. Duração: 3h7min. Estreou em 23 de dezembro de 2005.



*Valmir Junior
"Paulista, 23 anos, virginiano e doido por chocolate. Esse é Valmir Junior, um ator amador (ou amador ator?), fã de teatro (claro), filmes, exposições e outros assuntos relacionados à Arte (além de ser um bom garfo também). É a primeira vez que resenha para um site e dá medo nele, mas o desafio já foi aceito, então: "Merda!!!" (Não levem a mal! É "Boa Sorte" no Teatro)."