:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Urariano Mota
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     CINEMA

CRUZADA


Valmir Junior*

O filme anterior de guerra de Ridley Scott foi "Gladiador", com Russell Crowe, Joaquin Phoenix e Connie Nielsen, além do ótimo Richard Harris (que já foi dessa pra uma melhor e é mais conhecido como o mago Dumbledore dos dois primeiros filmes da série "Harry Potter"). "Gladiador" ganhou 5 Oscars, mas mais por obra do destino (e de lobby) do que por mérito.

Não que o filme fosse ruim, mas o épico estava mais para história açucarada, ou então mais para melodrama do que para drama propriamente dito, ou seja, o filme não conseguia atingir nenhuma definição, pois suas escolhas não eram mantidas ao longo da narrativa. Neste "Cruzada", Ridley Scott acerta a mão em muito mais pontos do que em "Gladiador" e transforma o filme naquilo que se propõe: um filme épico.

Um porém que já estabeleço de antemão: a escolha de Orlando Bloom foi simplesmente um chamariz para o filme, pois o ator é de uma apatia sem limites e sua capacidade para interpretar se reduz a duas expressões faciais (espremer os olhos e fazer um meio-sorriso) e outras tantas habilidades corporais utilizadas nas cenas de luta (eu disse "habilidades" e não "expressões corporais", que fique claro). Ou seja, um homem recém-enviuvado vai para a guerra, conhece uma nova mulher, se instala em nova situação como barão e líder e merece quase nenhum peso psicológico? Pois bem, se a resposta é não, alguém me explica porque Orlando Bloom reprisa a personagem Páris, de "Tróia" e o elfo Legolas, de "O Senhor dos Anéis"? Muitas perguntas e poucas respostas. Então eu fico com o chamariz mesmo... Enfim, depois do desabafo a respeito de Legolas, digo, Bloom, vamos ao filme.

Para esboçar o filme, primeiramente, é importante falarmos das Cruzadas, mesmo que sucintamente. À época, em meados do século XI, o papa Urbano II conclamou os cristãos do ocidente a rumarem em direção à Terra Santa a fim de conquistá-la. Segundo o Papa, era a "vontade de Deus". Eis que cristãos ricos e pobres rumaram à Terra Santa e, depois de muitos conflitos, conquistaram a cidade de Jerusalém. Essa foi a Primeira Cruzada. A Segunda Cruzada se iniciou com a revolta dos muçulmanos e a conquista de Jerusalém. Ao todo, foram nove Cruzadas. Depois da Segunda Cruzada, os cristãos não conseguiram mais tomar as terras para si e, até hoje, o conflito não foi resolvido. Resultado: a disputa pela Terra Santa prossegue.

O filme se encaixa aí, durante a Segunda Cruzada. Claro, como todo filme baseado em fatos históricos, existem alterações históricas para que o filme se desenrole - o que não acredito que seja realmente preciso - mas, em todo o caso, as mudanças contribuem para o roteiro do filme em si (se formos apenas nos ater à temática, que são as Cruzadas). A trama começa na França de 1186, com a convocação do ferreiro Balian (Orlando Bloom) por parte de seu pai, o Barão de Ibelin (Liam Neeson), para ir à Terra Santa. Alguns conflitos acontecem e Balian se torna o novo Barão de Ibelin e chega a Jerusalém. O contexto histórico está ali, a começar pela relativa harmonia da cidade de Jerusalém pelo domínio do rei Balduíno IV (Edward Norton). De cara, Balian se envolve com a irmã do rei, Sybilla (Eva Green) e ganha a ira de Guy de Lusignan (Maron Czokas), marido de Sybilla e contra a harmonia entre muçulmanos e cristãos.

Existem problemas históricos aí: o rei Balduíno IV, nessa época, já havia morrido há um ano. A princesa Sybilla era muito próxima de seu marido Guy de Lusignan, então rei de Jerusalém e já tinha um filho. Outros fatos não aconteceram exatamente nos momentos retratados pelo filme, mas, como dito anteriormente, é possível perdoar as alterações em nome do fluxo narrativo e da estrutura dramatúrgica do roteiro.

Depois das alterações históricas e de Orlando Bloom como protagonista (além das enfadada expressão de Czokas e a caricata interpretação de Brendan Gleeson como o comparsa de Guy de Lusignan, chamado Renaúld de Chantillón), o leitor deve estar se perguntando o porquê deste filme merecer mais créditos do que "Gladiador". Respondo: o tratamento que Ridley Scott deu ao assunto e as interpretações de Edward Norton e o ator sírio Ghassan Massoud, este último como Saladino, líder muçulmano.

Ridley Scott retrata muçulmanos como "homens normais" tal e qual são na verdade e não aquele clichê hollywoodiano de muçulmano mal, terrorista e inimigo de todos. Tanto na Jerusalém pré-conflito como durante o conflito, os muçulmanos têm aspirações, sabem ser bons, honestos, condescendentes e misericordiosos ao mesmo tempo que podem ser maldosos, irados, desvirtuosos, assim como o são os cristãos. Na verdade, assim como é todo mundo.

Scott ainda teve o cuidado de colocar o dedo na ferida sem derramar muito sangue, através das palavras dos soldados, que proferem que ir para a guerra é "a vontade de Deus", enquanto claramente vemos a ação política se desenrolar a olhos nus, denotando o quanto humana era a "vontade de Deus". A personagem de Jeremy Irons chega a comentar sobre o arrependimento de ter entrado em guerra, dizendo que foi às Cruzadas por Deus e depois percebeu que não se passava mais do que um imbróglio: os cristãos queriam terras e riqueza, Deus nada tinha a ver com aquilo.

Saladino e Balduíno IV são as personagens mais carismáticas e devo dizer que Edward Norton conseguiu ser o mais expressivo, mesmo vestindo uma máscara durante o filme todo (o que se devia ao fato do rei Balduíno IV ser leproso). Já Ghassan fez de seu Saladino um homem digno e justo, como era conhecido na época, o que distancia a imagem de "terror" que nos é impingida até hoje aos indivíduos deste povo.

Por fim, o que seria de um épico sem batalhas e um herói que cresce e se torna um ídolo, sendo ele nobre e justo? Pois é o que o diretor e o roteiro de Monahan oferecem. Soctt traz cenas de luta estonteantes e tomadas maravilhosas, pois sabe dirigir um filme de guerra. O herói, mesmo inexpressivo, é engrandecido pelo ambiente e pelo contexto histórico em que a história se passa.

Todos esses aspectos fazem de "Cruzada" um épico bom. Nada comparável a outros de infinita grandeza, como "Spartacus", "Os Dez Mandamentos" e "Ben Hur", mas um bem-vindo filme com dicotomias interessantes.

Portanto, se você for ao cinema encontrar uma história melosa, com final feliz, lutas de tirar o fôlego e mero entretenimento, bem, você pode encontrar alguns desses em "Cruzada", mas ainda há interessantes idéias a se aproveitar. Eva Green é colírio, seu envolvimento romântico com Bloom é bonito, a história de redenção é legal, mas retratar muçulmanos e cristãos como gente normal, isso "todo mundo merece". Importante: esqueça Orlando Bloom.


"Cruzada" - "Kingdom of Heaven" - EUA, 2005 - :Dir.: Ridley Scott. Elenco: Orlando Bloom, Liam Neeson, Eva Green, Jeremy Irons, David Thewlis, Brendan Glesson, Maron Czokas, Ghassan Massoud, Edward Norton. Roteiro: William Monahan. No Brasil: Estreou em 6 de maio de 2005.



*Valmir Junior
"Paulista, 23 anos, virginiano e doido por chocolate. Esse é Valmir Junior, um ator amador (ou amador ator?), fã de teatro (claro), filmes, exposições e outros assuntos relacionados à Arte (além de ser um bom garfo também). É a primeira vez que resenha para um site e dá medo nele, mas o desafio já foi aceito, então: "Merda!!!" (Não levem a mal! É "Boa Sorte" no Teatro)."