:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Urariano Mota
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     CINEMA

O Chamado 2


Valmir Junior*

E cá estamos outra vez acompanhando Rachel Keller (Naomi Watts) e seu filho Aidan (David Dorfman) contra as investidas da fantasma Samara Morgan (Daveigh Chase). Dirigido por Hideo Nakata, o mesmo que dirigiu as versões japonesas do filme - que deram origem à série americana - o filme resvala no terreno mais conhecido de terror, mesclando elementos de filmes conhecidos, ao invés de apostar na inovação do anterior.

O que chamava a atenção no primeiro "O Chamado", de Gore Verbinski, era apenas os pequenos traços do sobrenatural, algo como uma alusão ao invisível, o que potencializava a tensão e trazia mais fôlego para a investigação da jornalista Rachel para entender o significado de tudo o que ocorria. Além disso, Verbinski foi esperto o suficiente de manter a fórmula da versão japonesa, dando destaque ao sofrimento de Rachel por saber que ela, seu ex-marido e seu próprio filho estavam destinados à morte por terem assistido ao filme-maldição que matava em sete dias.

Pois bem, nada disso aparece em "O Chamado 2". Primeiro, vamos situar o leitor. No primeiro filme, Rachel Keller descobre a fita amaldiçoada por Samara Morgan, a menina morta pela mãe adotiva, jogada no fundo de um poço, e a assiste incrédula. Recebendo a ligação que dizia que lhe restavam 7 dias de vida, a jornalista mostra a fita ao ex-marido e ambos saem em busca da verdade para impedir a resolução da maldição. A jornalista, depois de muitos apuros e a morte do ex-marido, descobre que saiu ilesa porque fez uma cópia da fita e faz o mesmo com seu filho para salvá-lo. Ponto.

O segundo filme começa 6 meses depois do primeiro, com Rachel se mudando para uma cidade provinciana e tornando-se editora de um jornal local. Fugindo das amarguras que a maldição deixou, Rachel e seu filho Aidan tentam viver pacatamente em Astoria. Porém, Rachel novamente se confronta com as mortes causadas pela fita na cidadezinha e Samara a reencontra. Então o filme investe em "O Exorcista" e a fantasma tenta se apoderar de Aidan para fazer de Rachel a sua mãe.

Voltando ao comentário anterior, "O Chamado 2" se distancia do primeiro justamente por investir demais no sobrenatural. Aparentemente, os produtores devem ter feito Nakata imprimir doses de terror fácil para engendrar de vez o público adolescente capturado com o primeiro. Então o filme entra numa profusão de sustos, com um pouco mais da história da fantasma e ponto final. Acontece que, como ocorre com todos os filmes de terror, se a tensão não se estabelece e tudo o que se tem são gritos e sustos, a banalidade se instala e, a certa altura, não nos assustamos mais.

Ainda por cima, a fita amaldiçoada é ignorada da primeira parte em diante, justamente o que alavancou a série. As imagens de TV e sua escabrosidade iminente deixaram de ser um mote. A própria fantasma passou a ser o mote e isso todos nós estamos cansados de ver. Comparando mais uma vez, o primeiro filme só exagerava na hora certa: no final, a menina saía da televisão para matar. Neste não, a menina saiu de vez.

O filme acerta em outras questões, sim: Naomi Watts como Rachel Keller e Sissy Spacek como a mãe verdadeira de Samara, que oferecem atuações dignas com o pouco que foi dado a elas; David Dorfman e o obscuro Aidan que dá mais medo do que a própria fantasma; além de um momento ou outro, como a menina e sua forma horripilante de subir o poço e o ataque dos cervos ao carro de Rachel, afora alguns elementos da trama da origem de Samara.

"O Chamado 2" confirma que fazer seqüências não é para qualquer um. Ehren Kruger e seu roteiro caíram em sua própria armadilha e Hideo Nakata fez o que lhe pediram sem seguir o terror japonês (assista a "Ringu" e confirme a superioridade do terror, mesmo sem uma super-produção). Agora, se existir um "O Chamado 3", o que provavelmente vai ocorrer devido ao sucesso que vem fazendo, por favor, produtores, sejam criativos, usem suas cabeças, tentem não copiar "Ringu 0" (o terceiro filme da versão japonesa que, apesar de ser superior ao americano no primeiro filme, a partir do segundo descamba também), voltem à maldição e o terror mais "escondido" e um detalhe: não tenham a pavorosa idéia de colocar a maldição num DVD...


"O Chamado 2" - "The Ring Two" - EUA, 2005 - Dir.: Hideo Nakata. Elenco: Naomi Watts, David Dorfman, Daveigh Chase, Simon Baker, Sissy Spacek, Elizabeth Perkins e outros. Roteiro: Ehren Kruger. No Brasil: Estreou em 25 de março de 2005.


*Valmir Junior
"Paulista, 23 anos, virginiano e doido por chocolate. Esse é Valmir Junior, um ator amador (ou amador ator?), fã de teatro (claro), filmes, exposições e outros assuntos relacionados à Arte (além de ser um bom garfo também). É a primeira vez que resenha para um site e dá medo nele, mas o desafio já foi aceito, então: "Merda!!!" (Não levem a mal! É "Boa Sorte" no Teatro)."