:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     CINEMA

Cinco filmes brasileiros em Cannes


Dois longas e três curtas brasileiros foram selecionados para o Festival de Cannes, em mostras paralelas à competição oficial. Cidade Baixa, de Sergio Machado, e Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, são os dois longas brasileiros selecionados para a mostra Um Certain Regard, do Festival de Cannes - onde concorrem ao prêmio Caméra D´Or. Dois curtas-metragens, Vinil Verde, de Kleber Mendonça Filho, e Da Janela do meu Quarto, de Cao Guimarães, serão apresentados na Quinzena dos Realizadores. Outro curta, O Lençol Branco, de Juliana Rojas e Marco Dutra - da USP -, faz parte da seleção da Cinéfondation, reservada à produção de escolas de cinema. O festival será realizado de 11 a 22 de maio.

Cidade Baixa, do baiano Sergio Machado (diretor de Onde a Terra Acaba e co-roteirista de Abril Despedaçado, de Walter Salles), conta a história de dois amigos de infância que se apaixonam por uma mesma mulher, desencadeando uma história de alta voltagem emocional e risco crescente. No elenco, Lázaro Ramos, Wagner Moura e Alice Braga.

Primeiro longa-metragem do pernambucano Marcelo Gomes, Cinema, Aspirinas e Urubus retrata a amizade que surge entre dois homens de culturas completamente diferentes. O argumento do filme surgiu de uma conversa entre o cineasta e seu tio Ranulpho Gomes, um paraibano que, nos anos 40, depois de enfrentar secas contínuas, decidiu migrar para o sudeste.

No filme, em sua jornada, Ranulpho (o ator baiano João Miguel) conhece o alemão Johann (Peter Ketnath), que também havia emigrado, fugindo de seu país antes da II Guerra Mundial. Johann viaja pelo Brasil como caixeiro viajante, vendendo "a cura para todos os males", a aspirina. Em uma de suas viagens pelo sertão nordestino, seu caminho cruza com o de Ranulpho.

Rodado no sertão nordestino, o trabalho é assim definido por seu diretor: "É um filme de personagens, em que a câmera está o tempo todo à disposição deles".

O diretor Marcelo Gomes teve seu primeiro contato com cinema através de um cineclube que ele criou em Recife. Depois de estudar cinema por dois anos na Inglaterra, na Universidade de Bristol, Marcelo Gomes fundou a produtora Parabólica Brasil, onde realizou curtas e vídeos em parceria com Adelina Pontual e Cláudio Assis. Seus curtas Maracatu, Maracatus e Clandestina Felicidade foram premiados em vários festivais. Além disso Gomes dirigiu diversos documentários para a TV e atualmente desenvolve o roteiro de Deserto Feliz, de Paulo Caldas.


Fonte: CineWeb