:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Urariano Mota
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     Cinema

BATMAN BEGINS


Valmir Junior*

O melhor da série, sem dúvida. "Batman Begins" faz trocadilho com o início da história do homem-morcego - que foi enterrada devido aos dois carnavais de Joel Schumacher: "Batman Eternamente" e "Batman e Robin" - na verdade, surge o re-início.

Entram peças como o diretor Christopher Nolan ("Amnésia", "Insônia"), o roteirista David Goyer e o protagonista Christian Bale ("Reino de Fogo", "Psicopata Americano", "O Operário"), além de um elenco que beira o estelar e que segura muito bem o filme. Nada de pompa e circunstância: aqui o Cavaleiro das Trevas faz jus ao nome e retoma a atmosfera densa que permeia suas HQs, sem cair no estilo gótico de Tim Burton, que até então com seus "Batman - O Filme" e "Batman - O Retorno", tinha os melhores filmes do herói em mãos.

Goyer escreveu com cuidado, com esmero, enquanto Nolan traz dimensão ao Bruce Wayne plano de seus intérpretes anteriores (Michael Keaton, Val Kilmer e George Clooney), levando Christian Bale a realmente atuar como um herói, antes de atingir a marca "super". O herói sofre, o herói erra, o herói personifica a porção do "bem" que nós temos, mas carrega consigo também a centelha do "mal", que nós todos também temos. O Bruce Wayne de Christian Bale é esse: diversas camadas superpostas, como deve ser. E Nolan, para trazer essa tridimensionalidade à personagem, conta a história do surgimento do Batman. Não um pequeno flashback, mas um que dura metade do filme. Bale, pela aura que confere ao personagem, consegue fazer a platéia querer entender o que Bruce Wayne é, para depois ver Batman agindo. Não importa ver o super-herói, importa ver o herói, a pessoa que, como nós, tem suas angústias, problemas e determinações.

O filme começa com o episódio em que Bruce, em sua infância, confronta morcegos e depois pula para o assassinato dos pais de Bruce, em que ele rumina sua culpa em relação ao incidente. Depois viaja com o milionário ao Oriente, onde ele está preso e depois entra em sua jornada ao templo de Ra's Al Ghul (Ken Watanabe). Trata-se aqui de mostrar como a personalidade de Bruce endureceu, o que poderia ter colocado a perder se não quisesse buscar justiça e como realmente aprendeu sobre a vida e a morte com Henri Ducard (Liam Neeson) e a Liga da Sombras. Ducard é seu mestre, ensina-lhe os truques do ninjitsu, a arte dos ninjas, a filosofia e ali, Ducard, sem saber, funda as bases para o surgimento do Batman. Bruce entende que não deve se vingar de seus pais e nem fazer justiça com as próprias mãos: deve tornar-se o paladino da Justiça em sua cidade-natal decadente. E eis que finalmente somos levados a Gotham City.

A Gotham, em si, é uma metrópole como outra qualquer, um arquétipo da sociedade moderna, reunindo ali diversos tipos que não devem nada aos tipos do Brasil: juízes e advogados corruptos, psiquiatras paradoxalmente insandecidos, gângsters arrogantes, policiais que se acham donos da cidade, diretores de grandes companhias que querem o controle total e outros. Mas ainda existe espaço para pessoas de bem, como a amiga de infância de Bruce, a promotora da Justiça Rachel Dawes (Katie Holmes); o cientista Lucius Fox (Morgan Freeman); o tenente da polícia James Gordon (Gary Oldman); e, sem dúvida a personagem mais forte do filme, o mordomo de Bruce, Alfred Pennyworth (Michael Caine). Todos ajudam Batman na luta contra o tráfico, o crime, a violência e a corrupção de Gotham City, aqui representada pelo gângster Carmine Falcone (Tom Wilkinson), o psiquiatra Jonathan Crane (Cillian Murphy) e o diretor da Wayne Enterprises Richard Earle (Rutger Hauer). Para não revelar a história, deixo assim descrito, certo?

O importante é que, depois do grande flashback, vemos todo o esforço de Bruce em se transformar em Batman, e o filme aí encontra formas de explicar como é que o Homem-Morcego "voa", como ele resiste a tiros com sua roupa e seus outros truques, tornando-o verossímil aos olhos de quem assiste. Muito interessante. E surge na tela o Batman. Ele se torna uma figura aceitável devido a toda essa pré-construção. O tabuleiro está posto, as peças estão posicionadas e a partida começa.

A Gotham em si é uma metrópole que possui até mesmo uma espécie de favela, na verdade o subúrbio de Narrows. Possui um sistema de metrô que alimenta a cidade e é muito bela à noite, deixando de lado o visual dark de Tim Burton. Nesse cenário, age o Batman, que provoca medo nos criminosos, com a assustadora forma de morcego e incrível habilidade de manter-se "invisível", uma característica ninja. Ainda tem a seu dispor o Batmóvel, espécie de tanque-de-guerra sobre rodas, com grande potência de velocidade.

Mas mais uma vez Goyer acerta ao revelar que o herói não é feito de ferro. Em certa ocasião, é até salvo pelo mordomo Alfred e em outra, chega a dormir dois dias seguidos devido a uma ação do herói. A platéia nota que se trata de uma pessoa normal e Nolan teve o cuidado de fazer com que as aparições de Batman não fossem a esmo ou por pura diversão. Casou muito bem Wayne com o Batman. O Wayne de Bale tornou-se tão palpável, que Bale mostra o lado playboy fútil de Bruce Wayne, um lado que o próprio Wayne resolve investir para que não recaia a suspeita de que ele mesmo é o próprio Batman, manchando assim o nome de sua família, o que lhe é mais caro na vida, mas assim desfazendo-se da injustiça, o que acaba transformando numa espécie de redenção.

O filme adquiriu uma aura mais séria. Tem seu ponto fraco somente na mal-resolvida relação de Rachel Dawes e Bruce Wayne, mas que acaba por si mesma mostrando que o amor não é perfeito: galga caminhos tortuosos. O filme mostra o início de um relacionamento que foi complicado devido ao aparecimento de um homem-morcego tal, mas falta saber se o interesse amoroso de Bruce permanecerá no próximo filme da série, a fim de desenrolar essa história mais a fundo. Por que alguém tem dúvidas de que vai haver uma continuação? Depois que a Warner retomou a série agora, com todo o mérito e força que um Batman requer, alguém aí arrisca dizer que não vai haver outro? E ainda com todo esse sucesso? Só espero que nenhum diretorzinho qualquer pegue o filme e o estrague de novo. Que fique com Nolan, Goyer e Bale e se encerre com eles num melhor de três. Aí sim, estará de bom tamanho.


"Batman Begins" - "Batman Begins" - EUA, 2005 - Dir.: Christopher Nolan. Elenco: Christian Bale, Katie Holmes, Michael Caine, Liam Neeson, Gary Oldman, Rutger Hauer, Cillian Murphy, Morgan Freeman, Ken Watanabe e outros. Roteiro: David Goyer. No Brasil: Estreou em 17 de junho de 2005.



*Valmir Junior
"Paulista, 23 anos, virginiano e doido por chocolate. Esse é Valmir Junior, um ator amador (ou amador ator?), fã de teatro (claro), filmes, exposições e outros assuntos relacionados à Arte (além de ser um bom garfo também). É a primeira vez que resenha para um site e dá medo nele, mas o desafio já foi aceito, então: "Merda!!!" (Não levem a mal! É "Boa Sorte" no Teatro)."