:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ARTIGOS

Diálogos na fila do JUÍZO FINAL
por José Roberto Torero


E eis que chegará o inevitável dia em que todos estaremos na fila do Juízo Final. Sim, caro leitor, no fim dos tempos, enquanto esperamos pelo julgamento divino, ficaremos numa fila gigantesca onde se juntarão todos os que já viveram, uma fila quase tão grande quanto as do INSS.

E nessa fila teremos encontros inesperados. Zagueiros irão rever atacantes que os humilharam, torturadores encontrarão torturados, ex-esposas darão de cara com amantes, judeus e palestinos ficarão frente a frente. E todos baterão um interminável papo, já que não haverá outra coisa a fazer. Imagino, por exemplo, dois famosos e barbudos senhores lado a lado. Um com farda de exército, outro com armadura.

- Essa barba, esse boné..., o senhor não seria...
- Eu mesmo. Em carne, osso e charuto. E o senhor não é...
- Eu mesmo. Em carne, osso e livros de cavalaria.
- É um prazer encontrá-lo aqui.
- Digo o mesmo.
- Sabe, acho que nós dois temos algumas coisas em comum.
- Além da barba?
- Sim, além da barba e da língua espanhola.
- E o que seria? Nós dois fomos sonhadores.
- Sim, sonhamos um mundo melhor...
- Sem mais valia...
- Sem dragões...
- Com educação e saúde para todos...
- Com belos corcéis e castelos...
- Com medalhas nas olimpíadas...
- E com Dulcinéa...
- Sim, ambos sonhamos com um mundo mais nobre.
- E ambos tivemos grandes inimigos.
- É verdade. O senhor teve seus moinhos de vento e eu, os Estados Unidos.
- Os moinhos eram terríveis.
- O senhor fala isso porque nunca enfrentou um embargo comercial. Isso destrói qualquer economia.
- Outra coincidência é que nós dois tivemos um bom amigo para dividir nossas aventuras.
- Sim, o senhor teve o Sancho e eu, o Che.
- Ah, o bom Sancho... Tinha apenas um metro e meio, mas era um grande amigo.
- E o Che então... Grande sujeito! Argentino, mas um grande sujeito!
- Ele morreu lutando, não é?
- Sim. Morreu porque lutava contra o imperialismo. Eram os tempos dos sonhadores...
- Todos os tempos são tempos de sonhadores.
- Sim, um sonhador sempre encontra um inimigo a vencer.
- Seja o Bush ou o cavaleiro negro.
- A luta contra o mal não tem fim.
- Assim como os seus discursos.
- Ei! O seu livro também não é pequeno.
- As boas histórias precisam de tempo para serem contadas.
- É o que eu digo dos meus discursos.
- Eles são compridos como a cauda de um dragão.
- Comprida é essa sua língua!
- Você sempre teve dificuldade em aceitar as críticas.
- Ora, seu demolidor de moinhos!
- Seu plantador de fumo!
- Em guarda, Quixote!
- Em guarda, Fidel!
- Vou acabar com você!
- Vou cortá-lo ao meio!
- Você não faz grande coisa com este guarda-chuva.
- Nem você com este charuto! - Em guarda! - Em guarda!
www.revistaforum.com.br