:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ARTES VISUAIS

Literatura de Cordel

Duas exposições mostram o universo da cultura popular e uma parte essencial do patrimônio cultural brasileiro

Duas exposições da cultura popular brasileira, a literatura de Cordel, e uma parte essencial do Patrimônio Cultural do Brasil estão em Paris, compondo os inúmeros eventos da programação doAno do Brasil na França. São as obras do poeta J. Borges e uma seleção de folhetos do Fundo Raymond Cantel.

Em 100 anos de existência a literatura de Cordel testemunha a longa evolução percorrida durante mais de um milênio pela literatura européia: a transformação de sua “literatura oral” em literatura na concepção moderna do termo.

J. Borges: além de sua reputação como poeta de cordel, é considerado hoje um dos maiores artistas brasileiros da gravura. Nas paredes do seu ateliê em Bezerros, destacam-se obras que já foram expostas na Itália, na Suíça e nos Estados Unidos.

Fundo Raymond Cantel: é uma das maiores e mais ricas coleções de folhetos de Cordel do mundo. Desde sua criação, desempenhou um papel importante no intercâmbio entre o Brasil e a França. Estudantes e especialistas do mundo inteiro utilizam essa coleção como objeto de teses e contribuem assim para a valorização e preservação dessa importante manifestação da cultura brasileira.

O público é convidado a fazer uma viagem pelo universo dos homens que habitam o Nordeste do Brasil. São utilizados uma abordagem original e legítima para se descrever as paisagens, os heróis, o misticismo e as histórias que nos contam seu modo de viver e de ver a vida. Uma seção especial é reservada às histórias sobre a França (Carlos Magno; os Doze Pares de França; Rolando; Joana d’Arc…) percorrendo o imaginário dos artistas do Nordeste brasileiro.

Mais do que uma exposição sobre uma forma de literatura, o objetivo dessa mostra é o de veicular o próprio sentido da existência do Cordel: ser, antes de tudo, a expressão profunda de uma comunidade. Ricos e pobres, brancos e negros, crianças e adultos, analfabetos e intelectuais, todas as classes sociais estão representadas, “consomem” o cordel e contribuem para que essa expressão permaneça sempre viva.

Constará também da programação, o Congresso Internacional de Literatura de Cordel, que reunirá pesquisadores e outras pessoas interessadas nessa manifestação literária popular com significante permanência no Nordeste brasileiro. Este colóquio será realizado em duas etapas, sendo a primeira no mês de setembro, em João Pessoa e a segunda, em outubro, na Universidade de Poitiers.


Exposição itinerante
1º de agosto – Chapelle de l’Humanité (Centre Culturel franco-brésilien) – Paris
7 de setembro a 26 de outubro – Bibliothèque Alcazar – Marseille
1º a 15 de novembro – Châteauvallon – Toulon
Dezembro de 2005 – La Rochelle
Janeiro de 2006 - Maison du Brésil – Paris


(Comunicação Social do MinC)
(Fonte: Site Ano do Brasil na França – www.anobrasilfranca.com.br )