:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ARTES VISUAIS

France Press


Exposição Brasil Indígena

Com mais de 350 obras, que abrangem da pré-história até os dias atuais, a exposição "Brasil Indígena", que acontece em Paris, no âmbito do Ano do Brasil na França, é uma belíssima mostra que permite admirar a riqueza artística dos povos ameríndios.

A organização desta exposição parte de um paradoxo. Como afirmam seus curadores, Luis Donisete Benzi, Regina Polo Müller e Cristina Barreto, o conceito de arte, tal como entendemos, não existe entre os povos indígenas da América.

A exposição mostra, no entanto, que os índios concebem seus objetos no âmbito de modelos estéticos culturalmente reconhecidos e que, para eles, a experiência estética é fundamental para afiançar seus valores sociais e garantir a transmissão de sua cultura.

O Brasil tem meio milhão de indígenas pertencentes a 220 culturas diferentes. "Brasil Indígena" faz um panorama destas culturas indígenas brasileiras, organizado em dois eixos: o primeiro, arqueológico e histórico, apresenta a herança do passado. O segundo, formal, mostra a diversidade de manifestações artísticas.

A exposição começa com uma sala dedicada à arte funerária. Segue-se a exibição de estatuetas e vasilhas antropomorfas e zoomorfas marajoaras e de Santarém, tapa-sexos marajoaras e uma série de suntuosas urnas funerárias de diversas culturas - Caviana, Maracá, Aruá e Guarita.

O visitante depara-se em seguida com pinturas rupestres. Em uma instalação organizada ao redor de uma rocha esculpida procedente do Pará, são projetadas fotos de pinturas rupestres figurativas e abstratas. Depois disso, a sala "artes da transformação" apresenta objetos xamanistas e guerreiros de duas culturas desaparecidas, a Jurupixuna e a Munduruku, na qual se destaca um extraordinário conjunto de máscaras.

Terminada a parte histórica, a exposição conduz o visitante a uma esfera na qual a arte faz parte da vida cotidiana. Os objetos expostos combinam com vídeos e fotos da vida nos povos, a arte da pintura corporal, as cerimônias e os ritos. O domínio técnico é ilustrado por uma armadilha de pesca Baniwa, especialmente confeccionada para a mostra por um índio desta tribo.v Segue-se um extraordinário mostruário de enfeites de plumas, cestarias e cerâmicas pintadas para, finalmente, mostrar os rituais que integram em uma única manifestação várias artes: música, dança, teatro, máscaras.

Merece destaque a coleção de instrumentos musicais - tambores, chocalhos, flautas -, alguns belamente adornados com plumas, contas e madrepérola.

A exposição termina com uma sala dedicada à coleção do antropólogo Claude Levi-Strauss.

Pela primeira vez foi reunida uma parte da coleção reunida pelo autor de "Tristes trópicos", que está distribuída entre França e Brasil. Objetos das culturas Bororo, Kadiweu, Nambikwara e Kabisiana são expostos junto com fotografias e vídeos feitos por Levi-Strauss e sua esposa.

A exposição "Brasil indígena" foi inaugurada no Grand Palais de Paris pelos ministros franceses das Relações Exteriores e Cultura, respectivamente Michel Barnier e Renaud Donnedieu de Vabres, e pelos ministros da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, e Espanha, Carmen Calvo.

A mostra, que ficará aberta ao público até 27 de junho, reúne obras procedentes de vários museus de Brasil, França, Espanha, Itália e Portugal.