:: institucional           :: projetos           :: serviços           :: sala de imprensa          :: parcerias          :: loja          :: contato     

CANAIS WOOZ

artigos
agenda cultural
artes visuais
cultura
cinema
dança
entrevistas
fotografia
internet
literatura
música
teatro
terceiro setor



Alberto Cataldi
Eliana Caminada
Fernando Fogliano
Roseli Pereira
Valmir Junior



clique aqui e faça um cadastro para receber informações Wooz
     ARTES VISUAIS

Brasil, A Herança Africana

Exposição com objetos brasileiros e africanos em Paris

O Musée Dapper, em Paris, está abrigando cento e trinta peças africanas e afro-brasileiras que fazem parte da exposição Brasil, A Herança Africana. Inaugurada em 21 de setembro a mostra fica em cartaz até 26 de março de 2006 e compõe a programação oficial do Ano do Brasil na França.

Com patrocínio da Petrobrás e coordenação geral no Brasil da Expomus – Exposições, Museus, Projetos Culturais, esta é a primeira exposição sobre o tema a ser realizada na França. Tem apoio do Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, e reúne obras produzidas na África e no Brasil, a partir do século XVII até hoje. A curadoria é da jornalista, autora e diretora do Musée Dapper, Christiane Falgayrettes-Leveau.

Para a mostra foram reunidas esculturas, objetos profanos e de rituais, oratórios, fotografias, pintura, instalações, feitos em vários materiais, provenientes de instituições e de coleções particulares do Brasil e da Europa. A disposição de cada objeto, entre as obras africanas e afro-brasileiras, evidencia o “parentesco” existente a partir do conteúdo e da forma. Um exemplo dessa dinâmica é a montagem do altar do pai-de-santo baiano Laércio Messias do Sacramento ao lado de um altar africano.

“Apesar da expressiva influência africana, também é possível distinguir nas obras afro-brasileiras traços das crenças indígenas, do espiritismo e sobretudo do catolicismo", afirma Christiane Falgayrettes-Leveau. Essas peças são oriundas de São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Pernambuco, sendo que suas principais influências vêm das culturas Yorubá (Nigéria, Benin), Fon/Ewe (Benin, Togo) e Bantu (Congo e Angola), que impregnaram profundamente as comunidades negras desses Estados. ( Leia o texto da curadora )

Entre os artistas brasileiros que fazem parte da mostra estão Jorge dos Anjos (MG); Chico Augusto (BA); Marco Túlio Resende (MG); Laércio Messias do Sacramento (BA); Rubem Valentim (BA) e os fotógrafos José Bassit; Adenor Gondim; Antonio José Saggese; Tiago Santana e Bauer Sá.

Instituições que cederam as peças: Fundação Joaquim Nabuco / Museu do Homem do Nordeste (Recife, PE); Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (Ouro Preto, MG); 5ª Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Recife, PE); Mosteiro de São Bento (Salvador, BA); Museu Albelardo Rodrigues (Salvador, BA); Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia (Salvador, BA); Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (São Paulo, SP); Museu de Arte Moderna da Bahia (Salvador, BA); Museu de Arte Sacra da Universidade Federal da Bahia (Salvador, BA); Museu do Estado de Pernambuco (Recife, PE); Instituto Cultural Flávio Gutierrez / Museu do Oratório (Ouro Preto, MG); Museu Mineiro / SUM / Secretaria de Estado da Cultura (Belo Horizonte, MG); Terreiro de Jauá (Jauá, BA); Staatliches Museum für Völkerkunde (Munique, Alemanha); Musée d'Ethnographie (Genebra, Suíça); CAAC, The Pigozzi Colletion (Genebra, Suíça); Musée Dapper (Paris, França).

Brasil, A Herança Africana fica aberta ao público diariamente (exceto às terças-feiras), das 11h às 19h. O Musée Dapper fica na Rue Paul Valéry, 35, Paris. Tel.: 01 4500-9175.


Fonte: www.anobrasilfranca.com.br